quarta-feira, 22 de maio de 2013

Capitalização Banca BANIF BPN

             




Outros Relacionados:
Prós e Contras - Mauro Sampaio - 15-10-2012              Ali Babá e os 40 Ladrões
Banif Estado vai Controlar 99,2%                                O Governo e o Estado Social                          
BPN dava 20 anos Orçamento das Freguesias              BPN vendido com 60% de desconto ao BIC
Paulo Morais BPN foi Formado por Políticos                 BPN vai custar 3,4 mil milhões em 2012
Venda do BPN pouco transparente                               BPN Francisco Louça no Parlamento
Cuico Versos Submarinos e BPN                                 BPN A Fraude sem Castigo
BPN Vivenda de Cavaco no Algarve                              BPN-Falência provocava queda de 4% na ...
BPN 3 anos Subsídio Férias e Natal                             BPN Duarte Lima
BPN - Mira Amaral convida Passos                              BPN e a Bancarrota do País
O Dinheiro como Dívida Parte 1 de 5




Estado ficará com as ações do Banif até à injeção de fundos privados ( Versão OJE)

O Banif rá recorrer aos fundos públicos de recapitalização. O Estado entrará com 1100 milhões de euros e os privados com 450 milhões de euros até junho. No global, o Banif será recapitalizado em 1400 milhões de euros.
Contrariamente aos outros dois bancos intervencionados, o Millennium e o BPI, o Estado ficará com as ações do Banif, sendo que dos 1100 milhões de euros de ajudas públicas, 700 milhões de euros destinam-se a subscrever as ações a 0,01 euros cada unidade e o restante a comprar as obrigações Cocos, ou seja, capital contingente. Os privados injetarão capital até junho permitindo-lhes readquirir 39,43% do capital do banco e 50,59% dos direitos de voto. Nos próximos seis meses o Tesouro deterá 99,2% do banco. 
Entre os privados, que já se sabem que irão subscrever capital do Banif está a holding Rentipar, propriedade das herdeiras de Horácio Roque, e a Auto-Industrial, que injetarão 100 milhões de euros, e o BES que já afirmou subscrever 50 milhões de euros. Recorde-se que apenas os bancos não intervencionados é que poderão subscrever capital. 
Entretanto, cerca de 150 milhões de euros do esforço dos privados servirá para reembolsar o Estado ao nível do capital contingente e os restantes 300 milhões de euros serão utilizados para a execução a estratégia para os próximos dois anos definida pela administração de Jorge Tomé, o CEO do banco. Depois de pagar a primeira parcela das CoCos, o Banif ficará com mais 1400 milhões de euros de capital.
Em nota, o Ministério das Finanças afirmou que "a injeção de fundos públicos no Banif ascende a 1,1 mil milhões de euros e será realizada através do recurso à linha de recapitalização disponível ao abrigo do Programa de Assistência Económica e Financeira a Portugal". A operação de recapitalização decorrerá através da subscrição de 700 milhões de euros em ações especiais e 400 milhões de euros em instrumentos de capital elegíveis para Core Tier 1, a serem emitidos pelo Banif.O Banif é a quarta instituição financeira a ser recapitalizada com recurso a fundos públicos, depois do BCP, BPI e CGD. 
De acordo com a mesma comunicação, as ações especiais no montante de 700 milhões de euros vão conferir ao Estado direito a um dividendo prioritário correspondente à participação social detida pelo Estado não inferior a 30% do total dos montantes distribuíveis gerados no exercício. 
Já os 400 milhões de euros são "instrumentos de capital diretos, não garantidos, sem termo e subordinados e uma taxa de remuneração anual inicial de 9,5%". Ambas as emissões estarão concluídas até ao final de janeiro de 2013, refere o comunicado do Governo, e permitirão o aumento do nível de fundos próprios Core Tier 1 (a medida mais eficaz de avaliar a solvabilidade de uma instituição bancária) do Banif para um nível superior ao mínimo de 10% fixado pelo Banco de Portugal. 
Artigo: Jornal OJE







Comentários no Expresso.
Não seja trafulha e deixe de lançar a confusão, porque o problema não é esse e você sabe muito bem.
O problema é apenas o de saber, o que tem o Estado (todos nós) a ver com uma empresa (banco banif) que precisa de aumentar o capital, para cumprir as regras do Banco de Portugal?
Será que o Estado vai passar a intervir em todas as empresas que por qualquer razão necessitem de aumentar capitais próprios?
E qual é a coerência desta entrada no capital de um banco privado, quando nos atiram constantemente com a Troika, para justificarem a alienação das participações do Estado em tudo o que é empresa pública, justifi9cando deste modo a venda de empresas com muito maior importância estratégica para o País do que um banco de 5ª. ordem?
Por favor, continue lá a trabalhar para os seus (e nossos) algozes, mas não nos queira tomar por parvos.

Autor:Eurípedes/expresso

Viva Eurípedes
Que pena este seu post ficar por aqui "escondido", sem o devido destaque, apesar da pontuação.
Por muito que os milicianos tentem esconder a privatização de 30% do Banif, a coisa não pega. Mas deixe-me dizer-lhe que caso o não fizessem, muito mais sobre o BPN viria a lume mas, mais enterrando parte da corja laranja que nos desgoverna.
O Banif está falido porque lhe faltou não o HRoque mas sim a desnatadeira dos bancos em Cabo Verde do BPN. O Banif fez uma operação toda ela baseada em dinheiros com proveniência de Fundos das offshores do BPN, ao comprar em Cabo Verde o ex-Totta & Açores que tinha sido vendido a um grupo de "investidores" (políticos e gente do PSD escondidos num Fundo de Investimento) que lhe mudaram o nome para Banco Cabo-Verdeano de Negócios e que passou a ostentar a sigla Banif há pouco tempo por forma a ser dissociado ao BPN, tão bem visto até por aquelas bandas.
Acontece que este banco não era senão mais uma plataforma para fazer girar dinheiro das muitas lavagens e trafulhices da laranjada, que "findas", pelo menos naquela praça, deixou o dito banco sem tostão, obrigado que foi pelas autoridades locais a cobrir tudo em que estava envolvido. E só em Fundos de Investimento havia milhões de milhões.
O famoso resort de que Dias Loureiro é sócio, coisa pequena de 4 mil apartamentos e 250 moradias, era financiado via BCN, o tal que substituiu o Totta.
As fábricas de genéricos do Joaquim Coimbra (a dama-de-honor de Cavaco), idem.
Autor: BrtincaNareia/Expresso

Sem comentários:

Enviar um comentário