sábado, 18 de fevereiro de 2017

O Livro de Cavaco Quintas-Feiras





Múmia Minha Senil, que ainda não Partiste
****

Múmia minha senil, que ainda não partiste
Já tão tarde nessa vida contente,
Que não repouses no palácio eternamente,
Porque enquanto lá estiveres o mundo é triste.

Se lá no assento Presidencial, de onde desceste,
Memória desta vida se consente,
Não te esqueças daquele desprezo ardente,
Que de muitos de nós sempre mereceste.

E se vires que te pode merecer
Alguma coisa a dor que nos ficou
Da mágoa, sem remédio, de não te perder,

Escreve mais um livro, que não contou
A contar as patranhas que não vamos ler,
A gozares com a malta que sempre tudo te pagou.

Carlos Paz


Foto de Mário de Sousa.
Foto de Mário de Sousa.





















"Se alguém acredita que a apresentação do livro de Cavaco a um mês para acusação ou arquivamento do processo Marquês foi coincidência, que ponha o dedo no ar."





Sempre me surpreendeu a resposta de muito provinciano que, perguntado de onde é, responde, por exemplo, Viseu, quando se trata, afinal, de uma qualquer Alguidares, mera freguesia recôndita do distrito. Como se a aldeia, ou o seu nome, fossem um menos. Espantado, por isso, quando dou por Cavaco a dizer, nas suas Memórias, que nasceu na Fonte de Boliqueime, quando é sabido que foi no Poço de Boliqueime, redenominado, no seu consulado, de Fonte, e, agora, a crer na EN125, apenas Boliqueime. Não admira a recusa do poço por parte de quem, tendo sido Primeiro-Ministro dez anos e Presidente outros tantos, tem a desfaçatez de, fazendo pouco de nós, vir dizer que não é um político. Depois, segue-se a falta de decoro de, passado apenas um ano da saída de Belém, vir revelar as conversas havidas às quintas-feiras, com José Sócrates, com a impunidade de saber que já não faz mal, porque, lei natural da vida, não vai ser mais do que um espectador invejoso do êxito pessoal e político do seu sucessor, a quem mimoseia com indiretas deselegantes, que bem evidenciam toda a raiva que vai por aquela casa.


Cavaco Silva (ACS) – o redator que detesta ser leitor

O livro intitula-se "Quinta-feira e outros dias". Quem desconheça o autor, há de julgar que o título é uma homenagem ao escritor G. K. Chesterton, e uma inspiração contra o anarquismo, bebida em “O Homem que era Quinta-Feira”.

Cavaco Silva jamais se prestaria a assumir o papel do agente secreto Gabriel Syme, para arruinar um grupo anarquista. Tudo o que conseguiu foi um Fernando Lima para forjar uma pérfida intriga contra o então PM, com o pouco estimável ‘jornalista’, José Manuel Fernandes. Foi um guião fracassado para filme rasca.

Cavaco copiou Fernando Lima, que esperou a reforma para o zurzir, a si e à sua prótese, D. Maria. Aguardou várias reformas e 1 ano para revelar os pormenores das audiências, que tinham lugar à quinta-feira, com Sócrates. Tal como o ex-assessor, com raiva tardia, em vez de explicar o caso das escutas, o negócio das ações, dele e da filha, a permuta de terrenos, onde achou a vivenda Gaivota Azul, ou a razão para preencher a ficha na Pide, com erros de ortografia, resolveu escrever 592 páginas, divididas em 52 capítulos e três partes, mais prosa escrita do que a lida pelo alegado autor.

A segunda parte, um ato de vingança e ressentimento, é dedicada apenas às audiências de quinta-feira às quais Sócrates chegava bem preparado, mas quase sempre atrasado – segundo refere a comunicação social –, e é, afinal, a razão do título e da obra.

ACS diz que o livro (18,80 €), pretende ser uma prestação de contas aos portugueses e, segundo se crê, será um ajuste de contas de quem diz não gostar da política espetáculo, refutando o imerecido apodo de palhaço, de Miguel Sousa Tavares, no Expresso.

O ex-notário de Passos Coelho encarou as funções presidenciais inspirado na Sr.ª Lúcia de Jesus, pastorinha de Fátima: é necessário salvar Portugal dos comunistas.

Não é um estadista, é um redator de terceira, com uma azia de primeira, a quem não há bicarbonato que valha. Prevaricador ortográfico e gramatical, faz a catarse da apagada e vil tristeza a que o esquecimento e alívio dos portugueses o remeteu.

E vinga-se, com um rol de merceeiro cuja contabilidade e fiabilidade merecem o mesmo crédito da garantia sobre a solidez do banco BES, dias antes da derrocada das empresas do universo GES/BES, num dos seus raros gestos de gratidão, para desgraça de muitos.

Foi na vivenda de Ricardo Salgado e com a sua bênção, que os casais Cavaco, Barroso e Marcelo, engendraram a sua primeira candidatura a PR, num jantar funesto para o País. Por: Carlos Esperança.







A resposta de José Sócrates.
"Estranho que a súmula apresentada aos portugueses não contenha o que o sr. ex presidente pensou antes da queda do BPN e da necessidade da sua nacionalização para conter o risco sistémico, ou o que o sr. ex presidente pensou quando incentivou os cidadãos a confiar no BES enquanto banco sólido, meses antes dele desabar, ou o que o sr. ex presidente pensou do financiamento do BES para a compra do Pavilhão Atlântico - obra emblemática do nosso país e que foi vendida em saldo - ou o que é que o sr. ex presidente pensou da proibição da acumulação de salários com pensões na função pública - em janeiro de 2011 - ou o que lhe passou pela cabeça quando condecorou algumas das figuras de relevo, ou ainda tantas outras dúvidas abordadas muito ligeiramente pela comunicação social ao longo dos tempos. Não estão no livro? Que pena... São muito bons mexericos também..."


Sócrates/Cavaco.
"Se alguém acredita que a apresentação do livro de Cavaco a um mês para acusação ou arquivamento do processo Marquês foi coincidência, que ponha o dedo no ar."
Se alguém acredita que foi libertado a um mês de eleições por coincidência, que ponha o dedo no ar.
Se alguém acredita que os médias conheceram a nova morada de Sócrates por acaso, que ponha o dedo no ar.
Se alguém acredita que a libertação a um sexta feira e a prisão a dia parecido, sempre à hora do jantar e com muitas câmaras de TV em cima é coincidência, que ponha o dedo no ar.
Se alguém acredita que se ponha Marinho e Pinto num canal televisivo à mesma hora é coincidência, que ponha o dedo no ar.
Se alguém acredita que antes, sem provas, havia risco de fuga, e agora, com consolidação de provas, já não há, que ponha o dedo no ar.
Se alguém acredita que o poder judicial é independente da política neste País, que ponha o dedo no ar. Por: Pacheco Pereira.
Se alguém acredita que o adiamento de mais 180 dias tem alguma coisa a ver com as eleições autarquicas que ponha o dedo no ar. Por: Pacheco Pereira.





No livro lançado na quinta-feira sobre os seus anos em Belém, Cavaco Silva não poupou nas palavras sobre a governação de José Sócrates, com quem coabitou de 2006 a 2011. Depois de o DN pedir uma reação do antigo…





Cavaco Silva, a Maçonaria e o Opus Dei

A opacidade das despesas do Palácio de Belém, durante o consulado de Cavaco Silva, levou Marcelo a pedir uma auditoria cujos resultados, por decoro, não serão públicos, mas ajudarão a limpidez de quem tem para a função outro perfil e pretende da História um julgamento diferente.

Cavaco é um, provinciano, intriguista, dissimulado, vingativo, capaz de trair o seu mais dedicado ministro, Fernando Nogueira, para beneficiar Dias Loureiro, ou de, apesar da alegada seriedade, manter sepulcral silêncio sobre o suborno na compra dos submarinos, por Paulo Portas, a divulgação das dívidas à Segurança Social, de Passos Coelho, então PM, e no escândalo bancário SLN /BPN onde, depois de amealhar uns patacos em ações não cotadas na Bolsa, ele e a filha, viu os amigos afundarem-se na maior dos opróbrios.
O silêncio ou desinteresse por privatizações ruinosas, nomeadamente Lusoponte, ANA, Telecomunicações e Energia, revelam desatenção do economista ou displicência do PR.
A revelação, de duvidoso crédito, das audiências semanais com o PM é inédita num PR e suspeita por ter um único alvo. Admitindo que não foi a mera vingança de um espírito mesquinho, é forçoso concluir que foi o desejo de arredondar as várias reformas com os direitos de autor que o levou a editar um livro de encomenda que só não o arruína o seu prestígio porque ninguém perde o que não tem.
A patética acusação da intriga das escutas, nascida na sua casa civil, à máquina do PS, como se Fernando Lima fosse assessor de imprensa do PM e José Manuel Fernandes o comissário político do PS no Público, é um exercício de dissimulação e hipocrisia.

Curioso é o espírito pidesco revelado na co-nomeação do PGR, Pinto Monteiro, depois de recusar os dois primeiros que o PM lhe propôs, e cujos nomes omite. Só delata quem odeia. Diz o ex-PR que julgava que era da Maçonaria e que só o nomeou depois de lhe garantirem que não era, como se a eventual pertença fosse ilegal ou legítima a devassa.
Quem escreveu um dia, no Expresso, um artigo laudatório sobre Escrivá de Balaguer, fascista, diretor espiritual do genocida Francisco Franco e futuro santo, é natural que o fascine o indefetível apoiante da ditadura franquista e a sua criação – Opus Dei.

Pelo contrário, a maçonaria, que esteve na origem do liberalismo, da República e no combate à ditadura merece-lhe aversão e a discriminação dos seus membros.

Que diferença ética separa o Marquês de Pombal, D. Pedro IV, o general Gomes Freire de Andrade, António José de Almeida, Bernardino Machado, Magalhães Lima, Raul Rego ou António Arnaut de um ex-salazarista que a democracia reciclou! Por: Carlos Esperança




HOMO CAVACUS
Do pouco que já li e do que já ouvi, o livro de Cavaco revela-nos aquilo que já sabíamos em termos sociológicos sobre o personagem. Ele acredita que teve um papel a desempenhar na História de Portugal e que a sua "integridade" e "competência" nos livrou a todos de grandes sarilhos. Mas ele sabe que nós sabemos que isso é uma ficção em que nem o próprio acredita. Aliás, os pecadilhos são mais que muitos. Toda a gente já percebeu que Cavaco gostava de ter sido uma espécie de Irmã Lúcia na Política, virgem e beatificável. Simplesmente, a trajectória da criatura não é compaginável com tal ficção. Porque Cavaco fez toda a vida pela sua vidinha. O homem não era de grande préstimo. Nasceu nas traseiras de uma mercearia-gasolineira do Algarve (que então era bem miserável), numa época em que Portugal não era assim tão diferente das suas "colónias". O paizinho vendia a lata de atum fiada e mais 10 litros de gasolina, mas não passava de um pequeno-comerciante da província. O estafermo comeu o pão que o Pai lhe amassou; e, quando cabulou, aos 13 anos, foi mandado cavar batatas na horta familiar, coisa que lhe causou uma definitiva alergia à "ingricola", o que explica a forma malvada como liquidou o sector quando se alcandorou a "primeiro-ministro". Se fosse hoje, o jovem Aníbal teria sido despachado para o Psicólogo e mandado engolir umas valentes pastilhas de Ritalina. Mas nessa época tão distante e contudo tão próxima, o patriarca alombava umas valentes cacetadas nas costas do filho-vilão e trazia-o "ao bom caminho". E assim o homem se fez à vida. Atirou-se aos estudos. Foi patriota como informador da PIDE. Fez a tropa inteirinha (embora em modo Português Suave). Arranjou uma namorada "certinha" para desfazer a virgindade (e com ela casou) e lá seguiu para Inglaterra quando percebeu que uns "estudos" no estrangeiro eram uma carta de alforria num Portugal pacóvio e miserável. Dessa trajectória não resta um único livro, uma obra capaz, uma única peça meritória de que a gente possa dizer que "o homem era um traste mas tinha pinta intelectual". Alguém se lembra do nome da tese, ou da tesão, do Prof. Cavaco? Ninguém.... Nem decerto a mulher dele. De maneira que Cavaco é apenas um oportunista provinciano, ultra-conservador, que se marimba no país que detesta e se projecta num futuro ambicioso. Com um PSD exangue e dividido, ele sacaneia João Salgueiro e chega ao famoso congresso da Figueira da Foz, no seu medíocre Citroën a que decidiu dar rodagem, para "tomar conta" do País. Tal e qual como Salazar, mas apenas 60 anos mais tarde. E arranjou uns amigos trambiqueiros do piorio. Ele era o "sério", os amigos eram os operacionais. Depois, já se sabe o que se passou. O homem acha-se um génio, mas para mim não passa de uma besta. Ita missa est Por: António Ribeiro.





Cavaco Silva – o último almocreve do salazarismo
Pode dizer-se que é excessiva a importância dada a um defunto político, que é feio bater em mortos e contraproducente condenar quem não superou o salazarismo endógeno e o rancor acumulado pelo progressivo desprezo dos portugueses.

De facto, Cavaco, não é apenas um inculto conformado, é o rancoroso amargo que não hesita em tomar apontamentos das reuniões confidenciais, não para desmentir quem as apresentasse distorcidas, mas para expor conversas privadas e de Estado, por vingança, e com alta probabilidade de inexatidão, agravadas pelo facto de o alvo estar arguido e à espera de uma acusação cujos sucessivos adiamentos abalam o Estado de Direito.

Quem admoestou o primeiro-ministro, a ser verdade o que disse, referindo-lhe que não estava a falar com os membros do seu governo, mas com o PR, revela o que pensa das relações de um PM com os ministros, e do que era capaz nos seus dez anos de Governo.

Não sendo a urbanidade o seu forte, revela a inferioridade de quem nunca esclareceu as suas relações com a SLN/BPN ou os vários negócios pessoais envoltos numa nuvem de desconfiança. Conta a sua verdade onde quer e é impossível o contraditório factual.

Falta-lhe credibilidade e ética para julgar um ex-ministro, Jaime Silva, ou o magistrado de que foi corresponsável na nomeação para PGR, o juiz-conselheiro Pinto Monteiro.

Mas onde a sua conduta é mais reprovável, e se mostra indigno do cargo que ocupou, é na censura que faz à atual solução governativa, como se o PR pudesse decidir quem são os partidos bons e os maus e as funções lhe permitissem alterar a composição da AR.

Se fosse um democrata, se percebesse a iniquidade da ditadura, que nunca contestou, se tivesse um mínimo de respeito pelos antifascistas e tivesse merecimento para ser PR de todo os portugueses, perceberia que os votos no PCP ou no BE são iguais aos que lhe permitiram ocupar o mais alto cargo na hierarquia do Estado.

Devia ter remorso do prejuízo que causou ao país com a manutenção do Governo PSD / CDS até ao limite possível e do patético desvario de o querer reconduzir à revelia da AR e da Constituição da República.

O pior PR da democracia, que não deixou saudades, faz tudo para que os portugueses, a quem se referiu por ‘eles’, na apresentação do rol de acusações a que chamou ‘livro’, lhe continuem a pedir contas, não pelo que diz, mas pelo que oculta e, sobretudo, pelo que fez. Por: Carlos Esperança.       
















terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

China a Força Aérea pode desafiar EUA




População: 1,357 bilhões (2013) Banco Mundial



  

A Força Aérea da China aumentou seu potencial e pode desafiar os EUA, escreve nesta quarta-feira a revista americana "The National Interest", citando um documento da RAND Corporation.


Pequim: Washington não deve se meter em disputa no Mar da China Meridional
"Ainda que os Estados Unidos mantenham uma capacidade incomparável no ar, a modernização da Força Aérea chinesa, junto com as dificuldades inerentes a operações na região asiática, faz com que seja cada vez mais difícil para os EUA conquistar superioridade aérea nos primeiros dias ou semanas de um possível conflito com a China", diz o texto.

O documento aponta que a China, embora ainda esteja atrás dos EUA no que diz respeito à quantidade total de material bélico e às capacidades operacionais, aumentou seu poderio eu muitas áreas importantes.

Durante as últimas duas décadas, a China modernizou sua Força Aérea e desenvolveu rapidamente seu poderio militar.

"A China pode desafiar o domínio aéreo e naval dos EUA no início de um conflito distante de regiões continentais e provocar perdas significativas às forças americanas", indicam os analistas que avaliaram a relação de forças entre ambas potências em 1996, 2003, 2010 e 2017.

Os especialistas analisaram sempre dois cenários: uma invasão chinesa a Taiwan e um confronto com os EUA pelas Ilhas Spratly.


Leia mais: http://br.sputniknews.com/defesa/20151118/2806051.html#ixzz3sSAjuNDi




China lança serviço de transporte ferroviário de mercadorias directo entre Yiwu e Londres (12 000 milhas de viagem).




EM VÉSPERAS DA TOMADA DE POSSE DE TRUMP
NUVENS ADENSAM-SE DENTRO E FORA DOS ESTADOS UNIDOS


Meios de comunicação estatais chineses reagem aos anúncios da nova administração dos EUA sobre conflitos marítimos
BRASIL.ELPAIS.COM|DE MACARENA VIDAL LIY


War with the US under Donald Trump is “not just a slogan” and becoming a “practical reality”, a senior Chinese military official has said. The remarks were published on…
INDEPENDENT.CO.UK



Só para os defensores de TRUMP...


Pequim respondeu às ameaças dos EUA e afirmou a sua "soberania incontestável" sobre partes do Mar do Sul da China.
RTP.PT|DE RTP, RÁDIO E TELEVISÃO DE PORTUGAL - RTP

China mostra novo míssil capaz de atingir bases dos EUA na Ásia




Trata-se da terceira vez que a China expõe em público estes projéteis

O exército chinês publicou esta semana um vídeo em que exibe um dos seus mísseis de última geração, o DF-16, que tem capacidade para alcançar bases dos Estados Unidos da América no Japão.

As imagens difundidas pelo Exército de Libertação Popular (ELP), reproduzidas hoje pela imprensa estatal, mostram vários veículos a transportar mísseis, que o jornal assegura serem os Dongfeng DF-16.

Trata-se da terceira vez que a China expõe em público estes projéteis, após terem sido exibidos pela primeira vez durante um desfile militar celebrado em Pequim, em setembro de 2015, e ocorrem num momento de renovada tensão com os EUA e o Japão, devido ao conflito no Mar do Sul da China.

Os DF-16 são projéteis com alta precisão e um alcance superior a mil quilómetros, constituindo uma "ameaça" para as instalações militares no Japão, como a que os EUA mantêm em Okinawa, Taiwan e até Filipinas, destaca o jornal. Por: DN.





A televisão estatal chinesa divulgou imagens de novas armas do exército para o combate naval e aéreo, no que poderá ser considerado um aviso para os Estados Unidos após a recente decisão de arbitragem sobre o Mar do Sul da China.

Os EUA têm aumentado sua presença militar neste mar e pedido a Pequim que respeite a decisão do tribunal que rejeitou suas reivindicações territoriais.




Conheça o arsenal militar secreto da China
A China não só é o país mais populoso do mundo, como também é a nação que detém o maior setor de manufatura. Desde simples brinquedos de plástico a iPhones e até armas dos mais variados tipos são fabricados por lá.
Ambiciosa e determinada, a gigante vermelha vem investindo no crescimento do país de diversas formas. A economia chinesa cresceu 20 vezes nas últimas duas décadas. Agora, querendo dar passos largos, a China resolveu investir pesado em um arsenal bélico avançado.
(Fonte da imagem: Reprodução/The Risky Shift)
Mês passado, a revista americana Popular Science publicou um artigo falando sobre as novidades do PLA (People’s Liberation Army, o braço militar do Partido Comunista da China). Conheça agora as principais aeronaves e mísseis que os chineses vêm desenvolvendo.

Transportador assassino

É difícil prever se o planeta vai se sustentar por muito tempo. Com tantas nações investindo em armamento nuclear, fica complicado saber se algum país poderoso terá coragem de atirar os dados e fazer uma jogada arriscada contra uma nação perigosa. Ocorre, no entanto, que uma terceira guerra talvez não fosse iniciada com um cogumelo gigante.
(Fonte da imagem: Reprodução/Popular Science)
Para se precaver de situações adversas, a China trabalhou em um míssil balístico perfeito para atuar contra embarcações. O DF-21D, também chamado de “transportador assassino” (nome que foi dado ao projétil pelos analistas de defesa dos EUA), não pode ser desativado como outros mísseis do gênero.
Além de ser um armamento móvel (transportado por caminhão), o DF-21D segue uma rota incomum. Depois de ser lançado da costa, o projétil viaja até o espaço para tomar impulso. Ao retornar para o planeta, ele entra na atmosfera com a incrível velocidade de 4.828 km/h e arremessa 589 kg de explosivos no alvo.

Espiões invisíveis

A nação milenar sabe esconder bem seus segredos, tanto é que não há muitas informações sobre o J-20, jato de combate e espionagem que ela vem preparando para eliminar possíveis ameaças. Segundo os detalhes da Popular Science, os analistas acreditam que esta aeronave tem uma tecnologia em sua carcaça para que os radares não consigam identificá-la.
(Fonte da imagem: Reprodução/Popular Science)
O jato de combate criado totalmente pelos chineses deve contar com um compartimento na parte inferior recheado de armas de longo alcance. Não há detalhes sobre a velocidade máxima e o poderio bélico do J-20, porém as grandes nações já estão cientes de que este é apenas o primeiro de uma série de aviões espiões. O J-31 é o segundo da linha, sendo um modelo mais avançado capaz de decolar de um porta-aviões.

A espada negra

Com visual semelhante ao do caça invisível da Força Aérea Americana, o F-117, o “Espada Negra” é um drone (aeronave não tripulada) que foi apresentado em 2006. Até o presente momento, o protótipo ultrassecreto não voltou a aparecer em público, sendo que alguns analistas já não têm mais certeza se ele ainda continua em desenvolvimento.
(Fonte da imagem: Reprodução/Popular Science)
É bem provável que o modelo tenha sido finalizado, mas a China não quer revelar em público sua arma secreta de altíssima velocidade. Conforme a notícia da Popular Science, o avião que deve servir para vigilância pode voltar a aparecer, visto que o PLA está trabalhando para construir 11 bases de drones na costa do país.

O pterodátilo chinês

Em uma guerra de proporções mundiais, uma nação precisa contar com uma frota bem diversificada. Entre os tantos projetos em desenvolvimento, a China vem trabalhando em uma aeronave de ataque para alturas intermediárias. O Pterodactyl I UAV lembra muito o modelo Predator dos EUA.
(Fonte da imagem: Reprodução/Popular Science)
O avião não tripulado deve ser utilizado em combates contra alvos terrestres, visto que, segundo analistas, seu irmão menor, o Soaring Dragon (Dragão Crescente), é voltado à vigilância marítima e missões de reconhecimento de território. Novamente, não é possível ter muita certeza sobre os projetos, uma vez que a China tranca seus planos com sete chaves.

Dragão Divino

Ninguém sabe como será o futuro do planeta, algo que preocupa, em especial, grandes países como os Estados Unidos e alguns tantos da Europa. Não é à toa que muitos vêm investindo em tecnologias para a exploração espacial. É claro que a China não quer ficar de fora dessa corrida pelo domínio do desconhecido, por isso, na dúvida, a gigante vem trabalhando em novas ideias.
(Fonte da imagem: Reprodução/Xinhua)
Depois de tanto adiar, neste ano o país finalmente enviará o Tiangong-1 ao espaço. Conforme a informação do site Space, a chegada do módulo ao local devido será a primeira etapa da instalação da nação na órbita terrestre. Apesar de a finalização da estação espacial chinesa estar programada para 2020, a China já está trabalhando em aeronaves para usar por lá.
A Shenlong Space Plane (também conhecida como Dragão Divino), por exemplo, será um veículo eficiente para ajudar a China a manter seus satélites em órbita. Apesar de parecer uma simples aeronave, essa gigante também poderá contar com algumas “armas” para desabilitar comunicações, navegação e vigilância dos satélites de nações inimigas.
(Fonte da imagem: Reprodução/Popular Science)
Mas você está muito enganado se pensa que todo esse armamento e tecnologia são apenas para exibir que o país tem capacidade para desenvolver muito mais do que simples brinquedos. Em 2007, o coronel YaoYunzhu, da Academia Chinesa de Ciência Militar, anunciou que na próxima década a nação pretende enviar mais de 100 civis e militares para o espaço.

Conquistando o mundo de qualquer forma

Todo esse arsenal que citamos pode não ser usado de imediato, mas a China não está de braços cruzados. Enquanto uma guerra não eclode, o PLA vem trabalhando para criar o caos no mundo virtual. Seguindo os passos dos EUA, a nação do Oriente também criou seu exército cibernético, e não se trata de alguns poucos “hackers”.
(Fonte da imagem: Reprodução/Wired
O exército chinês conta com nada menos que 130 mil especialitasprontos para sabotar, espionar e hackear quaisquer alvos. Conforme a reportagem da Popular Science, isso pode significar a obtenção de segredos do governo e propriedades intelectuais dos Estados Unidos. Por ora, a China já invadiu alguns computadores relacionados a projetos de aeronaves.Com tudo isso em jogo, podemos ter quase certeza de que a Terceira Guerra vai acontecer, seja no mundo real ou no virtual. Vamos aguardar para ver o que os Estados Unidos vão fazer quando jogar os dados e puder se mover no campo de batalha. Parece que teremos grandes surpresas de ambos os lados. Por: Fabio Jordão.
FONTE(S)




Cinco Armas chinesas que intimidam os EUA

Os EUA devem temer não só os ritmos de produção de armamentos na China mas também a sua indústria e recursos humanos, considera a revista norte-americana The National Interest.
A China está desenvolvendo novos tipos de armamentos que preocupam os Estados Unidos. Mas, segundo o jornalista Kyle Mizokami, o país e os seus aliados devem temer muito mais coisas do que caças de quinta geração J-2- e os mísseis DF-21:
“Há outras armas que provocam a mesma – senão a maior — preocupação”.
O autor destaca cinco tipos de armamentos mortais chineses que os EUA não prestam a devida atenção. Com o desenvolvimento destas armas, os EUA terão que ceder a sua posição de líder global.
O primeiro são os sistemas espaciais de combate. Graças aos satélites, os EUA podem identificar a localização dos seus inimigos por todo o planeta. Mas o desenvolvimento das tecnologias espaciais em outros países, especialmente das armas antissatélite, pode privar os EUA de todas essas vantagens.
O segundo é a indústria chinesa. A China não deixa de ser a “fábrica mundial” que produz praticamente todos os artigos. É terrível imaginar o que pode acontecer se o país dirigir as suas capacidades para produzir equipamentos militares.
Pessoas observam estrelas. Foto do arquivo

© AFP 2016/ PHILIPPE HUGUEN

Militarização do espaço é inevitável?

A terceira “arma” chinesa são os recursos humanos, representados pelos graduados do ensino superior. Se espera que, até 2020, na China haverá 195 milhões de graduados, enquanto em 1999 só quatro por cento dos jovens estudavam no ensino superior. Os conhecimentos têm alta demanda e vão aumentar o nível tecnológico do exército do país.
Um outro tipo de armamentos que assusta os EUA são as minas navais, que podem permitir à China realizar operações de isolamento das zonas marítimas de acesso da Marinha norte-americana.
Finalmente, o autor chama as forças especiais chinesas de “quinto armamento contra os EUA”. Agora, neste tipo de forças a China possui 200-300 milhares de homens, enquanto nas forças armadas chinesas em geral servem 3,2 milhões de militares.
Assim, não há dúvidas de que se torna cada vez mais difícil para os EUA concorrer com a China e conter as forças que têm por objetivo estabelecer um mundo multipolar....1205






Lista de todos os países bombardeados pelos Estados Unidos
Lista de todos os países bombardeados pelos Estados Unidos DEPOIS DA 2ª GUERRA MUNDIAL sob o pretexto de estabelecer a democracia (sem contar os golpes indiretos, como os dados no Brasil e no Chile, com as mãos do exército do próprio país).
Quantas vezes essas intervenções militares norte-americanas de fato levaram a DEMOCRACIA, como se alegou?
- China 1945-1946
- Korea 1950-1953
- China 1950-1953
- Guatemala 1954
- Indonesia 1958
- Cuba 1959-1960
- Guatemala 1960
- Belgian Congo 1964
- Guatemala 1964
- Dominican Republic 1965-1966
- Peru 1965
- Laos 1964-1973
- Vietnam 1961-1973
- Cambodia 1969-1970
- Guatemala 1967-1969
- Lebanon 1982-1984
- Grenada 1983-1984
- Libya 1986
- El Salvador 1981-1992
- Nicaragua 1981-1990
- Iran 1987-1988
- Libya 1989
- Panama 1989-1990
- Iraq 1991
- Kuwait 1991
- Somalia 1992-1994
- Bosnia 1995
- Iran, 1998
- Sudan, 1998
- Afghanistan, 1998
- Serbia 1999
- Afghanistan, 2001
- Iraq in 2003
- Libya 2011
http://www.maoslimpasbrasil.com.br/biblioteca/9-artigos/810-lista-dos-paises-bombardeados-pelos-eua