quarta-feira, 19 de junho de 2013

Merkel contra Painéis Solares

                      

A Merkel trava uma guerra contra os painéis solares fabricados na China, as placas fotovoltaicas e quis que a União Europeia imponha direitos aduaneiros até 47% do respetivo valor a partir do próximo dia 2 de Agosto.
Na verdade, Merkel luta contra a revolução solar fotovoltaica que está em marcha.
Na China e nos EUA como noutros países começam a ser fabricados painéis fotovoltaicos transparentes que podem substituir os vidros das janelas ou revestir fachadas de edifícios, permitindo uma produção de energia elétrica a um custo muito inferior à produzida com as centrais a carvão mais baratas. Também podem revestir parte das carroçarias de carros híbridos ou não, carregando as baterias com a viatura a andar ou parada. Saliente-se que para muitos utilizadores, os carros estão muito mais tempo parados do que a andar.
Claro, tudo se o Estado ganancioso dirigido por loucos do tipo Gaspar não pretender taxar essa eletricidade que não se sabe como porque o produtor é o consumidor.

Esta revolução põe em causa os monopólios da eletricidade que se podem ver privados dos consumidores domésticos e até de parte do consumo industrial.

Por de trás da política corrupta da Merkel estão os grandes interesses de empresas que na Alemanha possuem centrais nucleares, térmicas, hídricas e eólicas e não fazem como a portuguesa EDP que entrou também no negócio da mini- e co-geração solar.

Hoje, até se torna possível fabricar telas fotovoltaicos para toldos e coberturas diversas produtoras de eletricidade e até roupa produtora de eletricidade para telefones portáteis.

A política capitalista da Alemanha e da União Europeia em geral suspende o progresso sempre que certos interesses estão em jogo.

Curiosamente, os chineses fizeram aquisições em Portugal no domínio da produção e transporte de energia elétrica quando estão a fabricar a baixo custo os painéis que podem levar a uma forte desvalorização dos seus investimentos. Claro que, para a China o fabrico dos painéis fotovoltaicos tem uma Dieter Dellinger
importância milhares de vezes superior a quaisquer milhões colocados na REN e na EDP e, por duas razões, servem para produzir a energia no sul da China a preço baixo sem poluição. A energia fotovoltaica será principalmente revolucionária no Sul da Europa e dos EUA e em todos os países com muito sol. Hoje, a própria Arábia Saudita interessa-se vivamente por esta energia para evitar a poluição, apesar de que em termos mundiais pode significar uma estagnação ou redução do preço do petróleo. Por

Outros Relacionados:
Factura e Consumo de Electrcidade                         "História fará justiça a Sócrates"



PRIVATIZAR O SOL...

IBERDROLA RENOVBLES
A realidade espanhola, respaldada por uma nova lei, segundo a qual, como se não bastasse a posição dominante no mercado da gigantesca empresa eléctrica espanhola, qualquer cidadão ou empresa que seja apanhada a auto-abastecer-se de energia eléctrica, recorrendo, por exemplo, a placas solares, sem pagar uma taxa à Iberdrola... pode estar sujeito a uma multa capaz de atingir os sessenta milhões de euros... uma ameaça perfeitamente terrorista.
Ou seja, a Iberdrola conseguiu convencer o estado espanhol... a privatizar o Sol!!!
sessenta milhões de euros

2 comentários:

  1. Esta noticia é uma grande treta, pois a sr. Merkel está furiosa por a comissão europeia ter imposto as tarifas aduaneiras.
    Ela está contra isso porque vai contra os interesses Alemães e sabe que a China vai ripostar, criando tarifas às exportações Alemãs.
    Convém ter a isenção correcta para dar noticias e não manipular as leituras.

    ResponderEliminar
  2. Então e os fortes investimentos que a Alemanha está a fazer em fábricas para fabrico de painéis solares a preços muito mais elevados comparativamente com a china. Depois tens de os comprares a eles. Se fosse roupa ou calçado já se podia... Também estou a ver que falas de cor.

    ResponderEliminar