quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Partidos e Comentadores Politica

                        


Que tal enchermos os comentários dos jornais com esta verdade?



-Com a qualidade dos jornalistas não se podia esperar outra coisa. "A informação que temos não é a que desejamos. A informação que desejamos não é a que precisamos. A informação que precisamos não está disponível” John Peers
-“Às vezes, a única coisa verdadeira num jornal é a data” Luís F. Veríssimo
-Uma opinião pública inquinada por falsidades ou meias verdades não está em condições de formar um juízo válido sobre as alternativas políticas que lhe são propostas.
Pois é, já tínhamos dado por isso há muito tempo ..

Jornalista da CNN revela como os governos pagam à comunicação social para falsificar notícias


Vejam o que diz Pacheco Pereira sobre a CS.



ACORDAR PORTUGAL · 5277 VISUALIZAÇÕES
 

PIJAMASURF.COM


(Carlos de Matos Gomes, nascido em 24/07/1946, em V. N. da Barquinha. Coronel do Exército (reforma). Cumpriu três comissões na guerra colonial em Angola, Moçambique e Guiné, nas tropas especiais «comandos
http://portugalglorioso.blogspot.pt/2014/10/biscates.html

Porque será que comentadores, gente tão distinta como Miguel Júdice, Proença de Carvalho, Angelo Correia, Soares dos Santos, Ulrich, Maria João Avilez e esposo Vanzeller, não aparecem agora a dar a cara pelos amigos Espirito Santo?
PORTUGALGLORIOSO.BLOGSPOT.COM



      O império dos comentadores da TV...

           Não há crise para quem a comenta
«O império dos comentadores onde quem manda são os políticos» é o título de artigo noPúblico, que contém alguns números estonteantes.
 Para começar este: «Se aos quatro canais generalistas se juntarem os canais de informação portugueses no cabo (RTP Informação, SIC Notícias e TVI24), é possível assistir a 69 horas de comentário político por semana. O equivalente a quase três dias completos em frente à televisão.» Que ninguém se queixe de falta de interesse das televisões pela política: mais do que isto só futebol!
 Dos 97 comentadores com presença semanal na televisão, 60 são actuais ou ex-políticos.Sem espanto, em termos de número de comentadores, o primeiro lugar do pódio é ocupado pelo PSD, seguido pelo PS e pelo CDS. E embora o PCP tenha mais deputados na Assembleia da República do que o Bloco, este está quantitativamente melhor representado.
Mas os números de facto impressionantes, se verdadeiros, são alguns (poucos) que são divulgados quanto à maquia que estes senhores levam para casa. E se não me suscita qualquer aplauso o facto de José Sócrates ter querido falar pro bono na RTP, considero um verdadeiro escândalo que Marcelo Rebelo de Sousa ganhe 10.000 euros / mês (mais do que 20 salários mínimos por pouco mais de meia hora por semana a dizer umas lérias), Manuela Ferreira Leite metade disso e que Marques Mendes tenha preferido passar para a SIC por esta estação ter subido a parada da TVI que só lhe propunha 7.000Claro que estamos a falar de estações privadas, em guerras de concorrência. Mas algo de muito estranho e esquizofrénico se passa num país quando o valor de mercado destes senhores é deste calibre. Estaremos em crise, mas comentá-la compensa e recompensa – e de que maneira!




Citando um relatório da Direção-Geral do Tesouro e Finanças, Sérgio Monteiro, que falava na comissão de inquérito às PPP, disse que, os encargos brutos das PPP "foram, em 2012, de 0,76%, que sobe em 2013 para 0,81%, vai até 1,12% em 2014, até 1,15% em 2015 e reduz para 1,08% no ano seguinte".

Uma opinião pública inquinada por falsidades ou meias verdades não está em condições de formar um juízo válido sobre as alternativas políticas que lhe são propostas.

A cada dia que passa se torna mais evidente que sem crescimento económico é impossível controlar duradouramente o défice e estancar o endividamento. Tudo o resto é fantasia.

Quase todas as pessoas que conheço, incluindo muitas dotadas de razoável instrução económica, estão persuadidas de que não só as Parcerias Público-Privadas (PPP) são responsáveis por uma grossa fatia da despesa nacional, como a sua renegociação permitiria de facto evitar sacrifícios adicionais à população. Daí a sua surpresa quando são informadas de que os encargos líquidos anuais do Estado com as PPP se ficam pelos 0,3% do PIB, o que corresponde a uma pequena parcela do investimento público médio anual nas últimas décadas.



Quinta-feira à noite, na “Quadratura do Círculo”, da SIC Notícias, António Lobo Xavier, homem próximo de Paulo Portas e nomeado pelo governo para elaborar a reforma do IRC, veio dizer que afinal a narrativa de Sócrates sobre o chumbo do PEC IV e o pedido de resgate é verdadeira: “A entrada da troika em Portugal resultou da pressão exercida pelo PSD e pelo CDS-PP.” A chanceler Angela Merkel “não queria uma intervenção concertada, regulada, com um Memorando.


Este aparato formal de Memorando com regras, promessas e compromissos, tudo medido à lupa”. E António Lobo Xavier disse mais. A entrada em Portugal das três instituições que compõem a troika foi liderada por um “aprendiz de feiticeiro”. Quando lhe perguntaram quem era, clarificou: “O aprendiz de feiticeiro é o primeiro-ministro.”


Pacheco Pereira em relação ao Governo de Passos Coelho:


Pensaram sempre em atacar salários, pensões, reformas, rendimentos individuais e das famílias, serviços públicos para os mais necessitados e nunca em rendas estatais, contratos leoninos, interesses da banca, abusos a cartéis das grandes empressas. Pode-se dizer que fizeram uma escolha entre duas opções, mas a verdade é que nunca houve opção: vieram para fazer o que fizeram, vieram para fazer o que estão a fazer.


"Isto já não é um Governo, é um amontoado de gente tratando da sua vidinha"


"Executivo não passa de navio fantasma cheio de gente morta"


O social-democrata José Pacheco Pereira é taxativo na avaliação que faz à situação do Governo liderado por Pedro Passos Coelho. No formato ‘Quadratura do Círculo’, emitido ontem à noite na SIC Notícias’, Pacheco Pereira referiu que o “Executivo não passa de navio fantasma cheio de gente morta”, sendo que só falta “enterra-lo”.


“Um navio fantasma que anda de porto em porto cheio de gente morta”.


Outros:



Soares "Percebi que jornalistas estavam a ser comprados pelo Governo"

O antigo Presidente da República, Mário Soares, volta, uma vez mais à carga, no que ao apontar de baterias ao Executivo de Pedro Passos Coelho diz respeito, acusando, no artigo de opinião que assina esta terça-feira no Diário de Notícias, o Governo de comprar jornalistas. Algo que, garante, já ter percebido "há bastante tempo".

“Há bastante tempo percebi que alguns jornalistas estavam a ser comprados pelo Governo, direta ou indiretamente. Simplesmente mudaram de ideologia e de sentido para agradar a quem lhes pagava”. As palavras, escritas no âmbito de um artigo de opinião, pertencem ao antigo Presidente da República, Mário Soares, salvaguardando, porém, que “felizmente há ainda exceções”.

E, prossegue o histórico socialista, “os jornalistas dos jornais, das revistas, e das rádios e televisões têm uma terrível dificuldade. Para agradar a quem lhes paga, dizem o que muitas pessoas não querem ler, ouvir ou ver. E se o não fazem correm o risco de ser despedidos”.

“Assim vai este pobre País, nada eufórico, como quer fazer crer o Governo aos portugueses. Como se fossem estúpidos. Não são!”, faz sobressair Soares.

No entender do também conselheiro de Estado, “este Governo arruinou Portugal, vendendo por qualquer preço –não se sabe qual – o nosso património”, concretizando: “O que resta do Estado Social está a ser cada dia destruído e a desigualdade entre os portugueses cresce cada vez mais”, e isto, quando os ricos “estão cada vez mais ricos”.  09:36 - 04 de Fevereiro de 2014 | Por 



Protesto no Parlamento Europeu - AJUDE A DIFUNDIR ESTA FOTO!
A revolta contra a austeridade já chegou ao Parlamento Europeu. Esta semana os deputados europeus da esquerda manifestaram-se contra a Troika. Esta foto está a correr a Europa toda, mas ... alguém a viu na imprensa portuguesa? Como podem ver, deputados europeus manifestaram-se com a palavra de ordem:
Tirem as patas de cima de: CHIPRE, PORTUGAL, GRÉCIA, ESPANHA, IRLANDA.
Mas... por cá, se não for a internet, nada sabemos!
Descrição: Descrição: Descrição: Descrição: Descrição: Inline image 1
                  DIFUNDE-A...

2 comentários:

  1. Este Medina Carreira deve estar senil, as coisas que ele como economista defende!!! até fico aflita! quando leio!

    ResponderEliminar
  2. Medina Carreira não é economista, assim como José Gomes Ferreira e Camilo Lourenço. Daí não vem mal nenhum ao Mundo, mas esta é a verdade.

    ResponderEliminar