sexta-feira, 26 de abril de 2013

Dias Loureiro e os negócios do Estado


                         


A antiga diretora do DCIAP afirmou não poder dizer por que é que o processo do ex-ministro não foi encaminhado para a Judiciária.
DN.PT|DE GLOBAL MEDIA GROUP

SIRESP Estado gastou 485 milhões de euros em rede de comunicações que valia um quinto. Durão Barroso e Santana Lopes , conseguiram delapidar os cofres nacionais, tendo em conta a má decisão de adjudicação. Acresce as suspeitas de tráfico de influencias, com o consórcio de empresas vencedor, onde se encontra um Ex-Ministro de governo PSD, Dias Loureiro.

A jornalista da TVI Ana Leal recebeu esta manhã uma nota de culpa, no âmbito de um processo de inquérito, e está suspensa e impedida de entrar nas instalações da Estação de Queluz de Baixo até à conclusão do processo disciplinar.

Jornalista Ana Leal suspensa e impedida de entrar na TVI
A profissional da comunicação não poderá aceder às instalações da TVI enquanto o processo está em curso. «A nota de culpa foi entregue esta manhã», afirmou quem acompanhou o processo, em declarações citadas pelo DN.
Ana Leal recusou prestar quaisquer declarações sobre a matéria.
Recorde-se que na base do processo está um pedido de esclarecimentos enviado pela jornalista ao director de Informação, José Alberto Carvalho, e ao Conselho de Redacção da TVI, sobre uma peça jornalística acerca do Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP), que integraria o alinhamento do «Jornal das 8» de 26 de Janeiro, mas que acabou por não ser divulgada nesse dia.
A peça foi para o ar no dia 27 do mesmo mês, na TVI24, no bloco noticioso «25ª Hora».
A 6 de Março, o caso foi a conselho de redacção, que considerou «injustificado o facto de a peça de Ana Leal não ter entrado no alinhamento do Jornal das 8». Mais tarde, a 20 de Março, os editores da TVI recusaram que tenha havido «qualquer espécie de censura» em relação a uma peça da jornalista.  Por: Diário Digital26 de Abril de 2013


O ex-conselheiro de Estado Dias Loureiro não tem bens em seu nome que possam ser penhorados no âmbito da investigação no caso BPN e o saldo médio das suas contas bancárias não ultrapassa os cinco...
ECONOMICO.SAPO.PT


Outros Relacionados:

BPN/SLN Dias Loureiro e os Negócios Estado          Fim Ano Brasil Relvas Dias Loureiro Arnaut




Miguel Relvas e Dias Loureiro estão por trás da operação de aquisição do Efisa por 38 milhões de euros, depois do Estado ter injectado 52.5 milhões de euros em…
LUSOPT.Pt



O empresário que o 1.º-Ministro de Portugal deu como exemplo....


Procuradoria-Geral da República confirmou que o ex-conselheiro de Estado Manuel Dias Loureiro "foi ouvido" pelos magistrados titulares do processo relativo ao caso BPN.
JN.PT|DE GLOBAL MEDIA GROUP




"Repórter TVI" investiga SIRESP

Publicado em 2014-01-27

ANA MARGARIDA LEITE / JN
Esta segunda-feira, o "Repórter TVI" exibe uma reportagem da autoria de Ana Leal que investiga as fragilidades da rede de emergência e segurança de Portugal. Para ver noJornal das 8.
A reportagem do "Repórter TVI", desta segunda-feira, vai apresentar uma investigação sobre as fragilidades do SIRESP, a rede de emergência e segurança de Portugal, que deveria ligar entre si, polícias, bombeiros e INEM.
Adjudicado por 450 milhões de euros, o SIRESP irá custar aos contribuintes, até 2021, cerca de 600 milhões de euros, o equivalente ao mais bem equipado hospital do país.
Implementado há sete anos, este sistema é usado apenas por metade dos utilizadores previstos e ainda não cobre pontos considerados cruciais do território nacional.
Uma reportagem da autoria da jornalista Ana Leal, com imagem de João Paulo Delgado e montagem de Miguel Freitas, para no Jornal das 8.



NOTÍCIAS DO POTE

5 de Dezembro de 2013 :

À privatização de 70% do capital dos CTT concorreu a Goldman Sachs, que pagou 41,38 milhões de euros para controlar uma posição de 5%. Em pouco mais de três meses, a instituição financeira que contratou José Luís Arnault viu a sua posição accionista ser valorizada em 30%, atingindo cerca de 53,9 milhões de euros, o que lhe possibilita ganhos potenciais de cerca de 11,2 milhões de euros.

12 de Março de 2014 :

O presidente dos CTT, Francisco Lacerda (que já o era antes da privatização) anunciou que, relativamente ao exercício de 2013, serão distribuídos dividendos (40 cêntimos por acção). A Goldman Sachs, que entrou para a estrutura accionista a 25 dias do final do ano, meterá ao bolso cerca de três milhões de euros (http://economico.sapo.pt/noticias/goldman-esta-a-ganhar-14-milhoes-com-os-ctt_188910.html).

Assim, num abrir e fechar de olhos, a instituição financeira que contratou José Luís Arnault está a ganhar cerca de 14 milhões de euros. Nem com a Dona Branca.

Esta figura do PSD, vendedor a retalho dos bens nacionais, esteve permanentemente em todas as privatizações. É uma evidência factual da participação na privatização quer da ANA, quer da REN, quer na reorganização do Banif, do BCP e também na privatização dos CTT, onde a Goldman Sachs não tem uma participação qualquer, já que tem a maior participação após a privatização. Arnault, foi por isso generosamente premiado por aquele banco norte-americano pelas suas diligências como "facilitador" tal como é o seu amigo Miguel Relvas (ambos na foto no Copacabana Palace do Rio de Janeiro), formalizando a sua contratação como conselheiro consultivo internacional.




A antiga diretora do DCIAP afirmou não poder dizer por que é que o processo do ex-ministro não foi encaminhado para a Judiciária.
DN.PT|DE GLOBAL MEDIA GROUP

1 comentário:

  1. como pode alguém usar um serviçal (jornalista) querendo dominar a informação prestada a seu jeito! Isso serve a quem e para quê? Assim se armam conflitos, mais a informação nestes moldes não serve a ninguém.

    ResponderEliminar