quarta-feira, 5 de julho de 2017

Tancos e o roubo de material militar





ULTIMA HORA
Material de Tancos apanhado numa operação stop.
O dono do cavalo, desculpou-se pensando que se tratava de tubos de rega extensíveis.




Marcelo convocou o Conselho Superior de Defesa e o Conselho de Estado. A…
SOL.SAPO.PT


Coronel Vasco Lourenço defendeu que Azeredo Lourenço "nunca devia ter chegado" a ministro, mas a demissão seria "dar razão aos que estão a procurar…
JORNALECONOMICO.SAPO.PT



O Coronel Vasco Lourenço, Presidente da Associação 25 de Abril, foi o convidado desta terça-feira da Edição da Noite para analisar a reunião entre o…
SICNOTICIAS.SAPO.PT


Análise contundente e perfeita aos" fake news" nacionais...

O atual frenesim político e mediático faz parte de uma conspiração muito mais vasta do que a mera e vulgar agitação paroquial em tempo de…
MEDIUM.COM




O capitão de Abril Vasco Lourenço fala ao DN sobre os acontecimentos em Tancos e suas consequências no interior do Exército


NEM SEMPRE O QUE É PARECE , MAS ÀS VEZES O QUE PARECE É


A notícia vista de todos os ângulos e de todos os pontos de vista. No 360º aprofundamos e descodificamos os acontecimentos. Não basta saber o que se p
RTP.PT


A ser verdade... isto tinha a sua piada.
1- Saber porque razão em Pedrógão ocorreram vários incêndios praticamente ao mesmo tempo. Diz-se o tempo de uma mota todo o terreno...
2- O assalto em Tancos ter alguma coisa a ver com o que afirma aqui Sousa e Castro e noutro ponto Vasco Lourenço (ver link abaixo).
3- Perceber porque razão a constituição como arguidos dos três secretários de estado ocorre um ano depois, precisamente nesta altura (encadeando estes três acontecimentos),...
Ver Mais

(divagações de um cidadão, num domingo invernoso em pleno verão) Deixemos o pequeno buraco na rede da cerca do quartel e o arrombamento sem violência da porta do paiol como peças para finalizarmos …
DASCULTURAS.COM




Segundo fonte próxima da investigação, as armas supostamente roubadas em Tancos nunca chegaram a existir. O alerta de roubo foi feito para confundir as…
CNOTICIAS.NET




Apesar de acreditarem que o Governo sai fragilizado dos casos de Pedrógão Grande e Tancos, os portugueses não acham que os ministros da Administração…
EXPRESSO.SAPO.PT


Portugal vive uma das melhores situações económicas dos últimos anos e uma paz social como há muito não se via, no entanto as televisões abrem todos os dias os noticiários com os 25 minutos iniciais dedicados à excepcional tragédia e "misterioso" incêndio de Pedrogão e ao "estranho" e insólito caso de Tancos.

Da boa governação pouco ou nada é dito durante os telejornais e quando algum tema governativo é abordado, quase sempre é devorado e envenenado, por comentadores adversos, políticos contrários, e moderadores tendenciosos, que retiram mérito ao governo, muitas vezes da forma demagógica e populista jamais vista. Uma orquestração já considerada suspeita por muitos, que leva alguns cidadãos a falar em sabotagem orquestrada e mão criminosa.

Entretanto e em total contradição com tudo isto, o Povo está sereno, não há protestos na rua como antes, e nas sondagens António Costa aparece com quase 70% de intenções de voto, como o PM preferido dos portugueses, contra 22% de Passos Coelho.

Temos portanto duas realidades completamente opostas, o Inferno que é este país mascarado de negro pela Orquestra Midia/Direita Ressabiada, e a Bonança Social pintada a cores, validada e assinada pelo Povo

E das duas uma, ou a Orquestra Midia/Direita Ressabiada muda de Povo, ou o Povo tem de mudar a Orquestra ... (Antonio D´Oliveira)


O "presumível buraco na rede" foi "posto apenas para disfarçar", afirma o coronel, num texto enviado aos membros da Associação 25 de Abril, a que…


O tenente-general Frutuoso Pires Mateus estranha haver cinco unidades a fazer segurança aos paióis de Tancos e em sistema de rotação.



Afinal, o tenente-coronel que ía liderar a deposição de espadas dos oficiais a Belém, no caso do assalto a Tancos, foi empregado da Tecnoforma!... 
Tecnoforma, era aquela empresa onde Passos Coelho "abria portas", gastava fundos europeus para formação de técnicos de autódromos que não existiam e pensava que não tinha que pagar segurança social.
Em Portugal, a direita não tem limites. Só lhe falta pegar em armas...
Yronikamente
05, decidiu passar à Reserva para se dedicar à formação na Tecnoforma Angola. Curiosamente, o mesmo Estado que nos últimos 12 anos lhe tem pago o salário, por inteiro, enquanto ele se dedica ao “estudo da liderança em ambientes empresariais”, exige que professores com cancro continuem a dar aulas até aos 66 anos...



Comentador da TVI diz que um "político muito importante" lhe disse, "olhos nos olhos", garantindo-lhe que era verdade, que o grupo estava já "sob suspeita das…
TVI24.IOL.PT



No Governo de Passos Coelho.


“A partir de 2014, o objetivo é esse [cortar 218 milhões de euros], sendo que, se houver necessidade de haver ainda alguma expressão [dos cortes] em 2013, ela…
PUBLICO.PT



Coronel António Feijó - "DEIXEMO-NOS DE FANTASIAS"

O que aconteceu com o paiol de Tancos foi realizado por quem sabe e tem capacidade para o fazer, não olhando a meios, incluindo, muito provavelmente, a eliminação de quem, eventualmente, se lhes opusesse. Poder-se-á aventar a hipótese que, se por acaso, a ronda militar apanhasse em flagrante este grupo, muito provavelmente seria neutralizada ou até eliminada. E sabem porquê? É que as sentinelas nos nossos quartéis andam sem carregadores municiados nas armas e apenas dispõem de um outro, nas cartucheiras, com poucos cartuchos e lacrado. Em resumo: NÃO PODEM DEFENDER AS INSTALAÇÕES QUE LHES SÃO CONFIADAS, MESMO QUE O QUEIRAM: retirar o carregador vazio, deslacrar o que levam na cartucheira, colocá-lo na arma e disparar é uma impossibilidade, porque antes - já foram desta para melhor.
E isto a que é devido? A uma directiva política que proíbe os militares de defenderem o que é da sua responsabilidade. Não têm cobertura legal e, por conseguinte, há uma ausência de regras de empenhamento conformes que lhes dêem a capacidade de serem oportunos no cumprimento da a sua missão com eficiência e eficácia. Assim, actualmente, se uma sentinela, no exercício da sua missão, disparar a sua arma em defesa do pessoal, das instalações ou do material que lhe estão confiados, uma coisa é certa: está metido numa encrencada que pode resultar na sua prisão e pagar grossa indemnização ao(s) "coitado(s)" de um ou mais assaltantes.
Continuando: o Exército está a cumprir com grande dificuldade as suas missões - que lhes são cometidas pelo poder político -como deve ser - à custa de enormes sacrifícios dos seus militares - que os fazem devido ao seu inexcedível profissionalismo, ao espírito do Dever e, principalmente, ao seu amor à Pátria.
Este Ramo das FFAA está a trabalhar aquém dos mínimos em pessoal. Segundo consta, tem menos de uma dezena de milhar de homens nos quadros orgânicos aprovados. Mesmo assim, não regateia esforços e, exemplo disso, é a sua presença na Colômbia, no Mali, no Afeganistão, Iraque e em outras partes do Mundo. Por cá, encontramo-lo nos treinos operacionais para render os seus militares nos Teatro de Operações onde estão empenhados, apoiar as populações desprotegidas e a combater incêndios com grande eficiência e descrição.
A descredibilização da Defesa e a Segurança do País tem sido uma constante dos agentes políticos que têm exercido o poder, sejam de que partido forem. Olham para a estrutura do Estado, como uma sua quinta para colocarem os seus boys na manjedoura do orçamento. E se dúvidas houver, basta olhar para a Protecção Civil e SIRESP. Choram lágrimas de crocodilo. Já é tempo de dizer BASTA!


Coronel António Feijó - "DEIXEMO-NOS DE FANTASIAS"

O que aconteceu com o paiol de Tancos foi realizado por quem sabe e tem capacidade para o fazer, não olhando a meios, incluindo, muito provavelmente, a eliminação de quem, eventualmente, se lhes opusesse. Poder-se-á aventar a hipótese que, se por acaso, a ronda militar apanhasse em flagrante este grupo, muito provavelmente seria neutralizada ou até eliminada. E sabem porquê? É que as sentinelas nos nossos quartéis andam sem carregadores municiados nas armas e apenas dispõem de um outro, nas cartucheiras, com poucos cartuchos e lacrado. Em resumo: NÃO PODEM DEFENDER AS INSTALAÇÕES QUE LHES SÃO CONFIADAS, MESMO QUE O QUEIRAM: retirar o carregador vazio, deslacrar o que levam na cartucheira, colocá-lo na arma e disparar é uma impossibilidade, porque antes - já foram desta para melhor.
E isto a que é devido? A uma directiva política que proíbe os militares de defenderem o que é da sua responsabilidade. Não têm cobertura legal e, por conseguinte, há uma ausência de regras de empenhamento conformes que lhes dêem a capacidade de serem oportunos no cumprimento da a sua missão com eficiência e eficácia. Assim, actualmente, se uma sentinela, no exercício da sua missão, disparar a sua arma em defesa do pessoal, das instalações ou do material que lhe estão confiados, uma coisa é certa: está metido numa encrencada que pode resultar na sua prisão e pagar grossa indemnização ao(s) "coitado(s)" de um ou mais assaltantes.
Continuando: o Exército está a cumprir com grande dificuldade as suas missões - que lhes são cometidas pelo poder político -como deve ser - à custa de enormes sacrifícios dos seus militares - que os fazem devido ao seu inexcedível profissionalismo, ao espírito do Dever e, principalmente, ao seu amor à Pátria.
Este Ramo das FFAA está a trabalhar aquém dos mínimos em pessoal. Segundo consta, tem menos de uma dezena de milhar de homens nos quadros orgânicos aprovados. Mesmo assim, não regateia esforços e, exemplo disso, é a sua presença na Colômbia, no Mali, no Afeganistão, Iraque e em outras partes do Mundo. Por cá, encontramo-lo nos treinos operacionais para render os seus militares nos Teatro de Operações onde estão empenhados, apoiar as populações desprotegidas e a combater incêndios com grande eficiência e descrição.
A descredibilização da Defesa e a Segurança do País tem sido uma constante dos agentes políticos que têm exercido o poder, sejam de que partido forem. Olham para a estrutura do Estado, como uma sua quinta para colocarem os seus boys na manjedoura do orçamento. E se dúvidas houver, basta olhar para a Protecção Civil e SIRESP. Choram lágrimas de crocodilo. Já é tempo de dizer BASTA!
— com https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=1733845766630958&id=100000166548762.





Capitães de Abril Expõem as Mentiras da Polémica de Tancos

Eis um exemplo do melhor serviço público que a estação televisiva do Estado pode fornecer.
Ontem, o 360º, da RTP3, teve a feliz ideia de convidar o Coronel Rodrigo de Sousa e Castro e o Coronel Vasco Lourenço, dois dos corajosos homens que integraram o Movimento dos Capitães, responsável pelo 25 de Abril, para comentarem o caso do assalto ao paiol de Tancos.
Com um inquestionável conhecimento do mundo militar, Rodrigo de Sousa e Castro e Vasco Lourenço protagonizaram um momento televisivo acutilante e esclarecedor, onde abordaram a polémica do roubo de material militar, partilhando ainda a sua visão acerca da gestão mediática e política deste caso.
Mais de 40 anos após terem libertado o país da ditadura, a sensatez e o discernimento dos Capitães de Abril continua admirável.
Uma Página Numa Rede Social

Este vídeo é uma edição muito resumida da intervenção de Rodrigo de Sousa e Castro e de Vasco Lourenço no 360º. A intervenção completa pode ser consultada aqui:




Tenente-Coronel Cmd Pedro Tinoco de Faria - "MANIFESTO DO PAIOL e da HONRA"

Cá venho eu de novo a ferver, mas assim é a vida, chegamos a uma altura em que não fazemos fretes e acima de tudo não há tempo para conversa da treta.

Engraçado ver como os militares se têm movido nos ultimos anos, ha uns que se juntam em Lobies do PSD e do PS...e conheço bem estes grupos desde que era tenente e os observava: um grupo de distintos oficiais ligados ao PSD a serem escolhidos quando este era eleito, todos sorridentes e garbosos nas suas fardetas de comissarios politicos ostentavam ao peito as medalhas do declinio da essência das forças armadas e degladiavam-se pela miséria doirada da subserviência do estrelato.....e assim começou a queda do Império.

Depois de Ramalho Eanes, foi um nunca mais parar a queda, todos, eles, todos os politicos sem excepção fizeram bem o seu mister...enfraquecer a essência militar, para poder dominar, com argumento da contenção economica e as compra de viaturas ministriais de outras mordomias no entanto não parou e que não dispensam ainda hoje... o exemplo puro de " SERVIÇO PUBLICO"

Não se virem contra os politicos, têm feito o seu trabalho no mundo da luxuria, da corrupção, da falta de sobriedade e de desrespeito pela ética e pela moral e de nos submeterem `sob a ditadura da democracia.

Têm feito bem o seu trabalho porque nomeiam os seus delfins para o comando das tropas e aqueles que se lhes opõem são demitidos com o rebanho em silêncio, abandonados.
Olhem para dentro da instituição, para o perpetuar de um rebanho que se deixa conduzir obedientemente.

Onde chegámos? temos pelotões de Oficiais Superiores a Comandar secções de soldados, ,temos até comentadores militares que alimentam uma maquina sem moral de comunicação social, indo dar umas bocas que perpetuam a verdade da mentira, e querem segurança nos paiois?

Engraçado quando vejo camaradas a comentar incêndios, jihad, mortes nos Comandos, Daesh, paiois , e morreu um militar a defender uma Patria eunuca e não é assunto...não vende, não dá protagonismo.....

Morreu um militar, tem uma viuva e dois filhos de tenra idade, irá receber uma miseravel pensão de preço de sangue derramado por nós militares....e andamos virados para fora, para o superfulo, para o protagonismo, para o daesh, e a jihad e os incendios e o cacete. Esquecemo-nos de nós, e damos tiros nos pés

Estive dia 29 de junho nos Comandos, cruzei-me como o meu camarada de curso Coronel Dores Moreira,,um excelente Oficial, meio calado, nunca o vi na televisão não ser para defender os seus homens, não tem muito protagonismo, mas é um Oficial do meu curso. Que vou fazer quando ele for preso? que irei dizer? a que me obriga a conduta militar, a que me obriga a camaradagem..a estar ao lado dele sempre.

Cruzei-me com supostos criminosos, ele o Comandante e os seus homens, apelidados de sadicos por procuradores e juizes da nomenclatura, tambem eles delfins desta corja politica e hoje indiciados com processo crime e sujeitos a penas até 16 anos de prisão

Quando eles forem presos com prisão efectiva por estarem a cumprir o seu dever o que fazem os Deuses da guerra?
Que vão dizer os comentadores todos garbosos a alimentar esta maquina podre da comunicação social?

" ESTEJAM ATENTOS QUE VOU FALAR NA SIC..TVI..RTP"
CACETE

o que fazem os Chefes?

O que vamos fazer?

Temos excelentes soldados nas nossas forças Armadas, trabalhei com Fuzileiros, Paras, Comandos, Comandantes de Navios de Guerra, Policias, GNR, Pilotos, Generais, Oficiais, Sargentos e Praças, do melhor que há no mundo e não tenho duvidas disso...e é crime de lesa Pátria ver perder algo que somos e é um património inestimável de moral e de sentido do dever.

É preciso falar, pensar, o que queremos e deixarem-se de andar a lamber as badanas dos politicos à procura de algo que nunca nos vão ensinar a ter...HONRA."

Significado de Honra:

Sentimento do dever, da dignidade e da justiça.
Conjunto de .ações e qualidades que fazem com que alguém seja respeitado. = DIGNIDADE, HONRADEZ, PROBIDADE, .RETIDÃO

Distinção que resulta de .ações ou qualidades que nobilitam.
Pessoa que ilustra uma classe, um país
Qualidade de quem tem comportamento prudente, recatado ou considerado moralmente certo. = DECÊNCIA, DECORO, RECATO, SERIEDADE

Não falem dos politicos, tudo mais do mesmo, boys...+ boys e lobies... com raras excepções de gente que é honesta.

Quem já foi apresentar condolências e oferecer apoio á mulher e filhos do nosso camarada que foi morto? Esta esquecido..fodeu-se...talvez os filhos se venham a questionar como já me questionei um dia : que puta de Patria é esta?

Queremos PAIOIS ou HONRA? Sem honra, sem moral, sem formação dura e exigente, sem tropa, sem honrarem os nossos mortos e protegerem os nossos orfãos, não há paiois que resistam.

Para defendermos os nossos Paiois temos de exigir que nos honrem.

Sinto me enojado
 — com Maria Jo Silva.


Depois de tanta versão e suposição, mais uma acha para a fogueira.http://viriatoapedrada.blogspot.pt/…/tancos-e-o-roubo-de-ma…


Algum do material coincide com o que agora é dado com roubado. PGR foi avisada há meses sobre risco de assalto a instalações militares


TANCOS: uma história de Desonra, Cobardia e falta de Vergonha

No final da semana passada ficámos, todos, a saber várias coisas:
1) Que uma ENORME quantidade de Armamento e diverso Material de Guerra que deveria estar nos paióis de Tancos, NÃO está lá;
2) Que o espaço e o peso (300 a 500 Kg) do material envolvido, bem como a localização física das instalações, são impeditivos de uma operação de furto feita rapidamente e sem meios logísticos específicos;
3) Que o sistema de videovigilância desses armazéns de PERIGOSO material de Guerra está inoperacional há dois anos (e que esta informação era do conhecimento de várias pessoas, INCLUINDO toda a cadeia de comando);
4) Que a cerca que defende o perímetro Militar está esburacada e com estruturas enfraquecidas (e que esta informação era do conhecimento de várias pessoas, INCLUINDO toda a cadeia de comando);
5) Que foi aprovada, recentemente, uma verba para a reparação da cerca e do sistema de vigilância que impedirá (ou documentará) qualquer possível assalto que venha a ocorrer num futuro muito próximo (e que esta informação era do conhecimento de várias pessoas, INCLUINDO toda a cadeia de comando).

A imprensa relata um “assalto” feito numa noite em que foram desativadas (por quem?) as rondas por várias horas. Este “assalto” justificará, então, as diferenças existentes entre a lista de material que deveria estar guardado e aquele que realmente está. Vale a pena relembrar que um “assalto” como este não será possível dentro de pouco tempo, depois das reparações já previstas e PUBLICADAS.

Não quero, aqui, saber se o material em questão foi mesmo todo roubado. Ou se foi só algum e o “assalto” está a ser usado para corrigir diferenças de inventário (coisas que já saíram legal ou ilegalmente há muito tempo, coisas que foram dadas como recebidas e pagas e nunca entraram, coisas que foram consumidas em treinos ou operações e que não foram corretamente registadas, etc..).
Isso é uma tarefa para a Polícia Judiciária Militar.
Como cidadão preocupam-me, no médio e longo prazos, três questões fundamentais:
A) Qual a lista exata do material agora perdido (e só mesmo o que agora foi perdido);
B) Que se está a fazer (e com que meios) para recuperar esse material (trata-se de material de Guerra, de elevada perigosidade);
C) Saber se é SÓ a Polícia Militar que esta envolvida nesta investigação (recordo que o facto de algumas das estruturas de comando serem as mesmas, formadas por pessoas com as mesmas origens e com relações entrecruzadas ao longo de anos, o pode desaconselhar).

Mas, no curto prazo, as nossas preocupações (de nós TODOS) deveriam ser outras, bastante mais profundas (pelo seu potencial efeito multiplicador):
1) NENHUM dos responsáveis Militares pelas instalações se demitiu ou publicamente assumiu qualquer responsabilidade: e isto pode ser entendido, pela estrutura comandada, como potencialmente demonstrativo de falta de honra (o que, e bem, é entendido como muito grave entre militares)!
2) O Chefe do Estado-Maior demitiu os ditos responsáveis SEM ter apresentado a sua demissão: e isso pode ser eventualmente entendido, por toda a estrutura comandada, como uma situação potencialmente demonstrativa de uma possível falta de liderança!
3) Aparentemente estas demissões só ocorreram porque o poder político as exigiu e o Chefe do Estado-Maior não foi capaz de defender os seus homens: e isso pode ser entendido por todos como uma situação de falta de coragem (o que, e bem, é também entendido como muito grave entre militares)!
4) FINALMENTE, e mais importante de tudo, se é verdade que houve pressões do Ministro para se salvaguardar a si próprio, isso é demonstrativo de uma imensa FALTA de VERGONHA.

No limite, se tudo isto fosse verdade, poderíamos estar perante uma situação de militares sem honra, comandados cobardemente e tutelados por um desavergonhado.
Isto sim seria, se fosse verdade, ATERRADOR!
Muito mais que o pretenso desaparecimento do armamento.
Por; Carlos Paz.

No Governo de Passos Coelho.


PSP acredita ter desmantelado um dos grupos mais perigosos da Área Metropolitana de Lisboa.
PUBLICO.PT



Confira a lista divulgada pelo jornal El Español:

1450 cartuchos de 9 mm
-22 bobinas de fio para ativação por tração
Um disparador de descompressão
24 disparadores de tração lateral multidimensional inerte
Seis granadas de mão de gás lacrimogéneo CS / MOD M7
10 granadas de mão de gás lacrimogéneo CM Anti-motim M / 968
Duas granadas de mão de gás lacrimogéneo Triplex CS
90 granadas de mão ofensivas M321
30 granadas de mão ofensivas M962
30 granadas de mão ofensivas M321
44 granadas foguete antitanque carro 66 mm com espoleta M4112A1 com lançamento M72A3 --M/986 LAW
264 unidades de explosivo plástico PE4A
30 CCD10 (Carga de corte)
57 CCD20 (Carga de corte)
15 CCD30 (Carga de corte)
60 iniciadores IKS
30,5 lâminas KSL (Lâmina explosiva)


PJ detetou uma rede de tráfico em que estaria alegadamente envolvido um…
JORNALECONOMICO.SAPO.PT

 assumir de imediato toda a responsabilidade do acontecido e daí ter tirado as consequências, ao exercer a sua acção de comando afastando de imediato os principais comandantes do campo militar cumpriu a sua obrigação.
Ora todo o Exército, oficiais , sargentos e praças, deveriam em primeiro lugar obedecer à acção de comando do CEM, e com humilde reconhecimento da sua inexplicável incapacidade procurar com disciplina e trabalho limitar as avarias.
Para uma oposição sedenta de sangue, incapaz de frontalizar as politicas do governo, estas oportunidades acidentais, incêndio de Pedrógão e roubo das armas em Tancos aparecem como sopa no mel.
É óbvio que estes oficiais , ao intervirem neste momento e neste contexto, contestando a cadeia de comando e as suas acções estão ao serviço da oposição de terra queimada que Cristas e Passos encetaram por falta de alternativas mas que não deixa de ser um caminho perigoso que a todos chamuscará.

Tristeza
Comentar
Comentários
Armindo Castelo Bento ALGUÉM, SÉRIO E HONESTO, PODE EXPLICAR? QUE ROUBO HOUVE EM TANCOS?

O que é que o dito, mas não confirmado “buraco na rede” tem a ver com o desvio deste material militar?

Por uma lado o terreno em que estão instaladas aquelas estruturas – e onde é guardado equipamento militar sensível, como era o caso das armas de “guerra furtadas ou desviadas, ainda ninguém disse em que data!!! – fica em frente ao regimento de Engenharia do Exército, uma das unidades, que segundo lemos conta mais “projecções” (missões) para cenários internacionais.
Reparem nesta ,”maravilhosa noticia do jornal de direita “O Observador” “Suspeitas recaem sobre as missões dos militares com ligação aos paióis. O assalto foi preparado ao milímetro, feito com uma carrinha e as armas seleccionadas e carregadas às costas durante 500 metros”. Tinham que ser super-homens para carregar 250 kg às costas!
Por outro, pela quantidade que o dito “jornal da direita espanhol”, afirma numa “listagem e material de guerra “roubado” em Tancos, seriam necessários para o seu transporte, dois/três camiões TIR, usar monta –cargas (cada caixa de lança-rockets pesa cerca de 250Kg), carregar uma caixa dessas, seriam precisos, no mínimo 4 homens e levá-las até aos camiões, demorava no mínimo 15 minutos. 
Em alternativa a “dita imprensa portuguesa”, indivíduos que nem sequer foram “tropa” afirmam que foi pelo “buraco da rede”! Estamos a ver um “batalhão” de homens a “transportar”, nem pergunta como?, tal material e a atirá-lo para contentores, pelo “buraco duma rede”? Tenham pena e sejam sérios!

Responder
7 h
Rodrigo Sousa Castro muito bem observado. Acrescento apenas um ponto. Pode ser que o roubo tenha sido feito por etapas em vários momentos o que possibilitava o trânsito dentro da base de carros ligeiros pertencendo a militares e por isso não revistados e que no fim alguém tenha tentado a tese do buraco e do roubo a partir do exterior para branquear as acções

Responder
7 h



E SE EM TANCOS NÃO TIVESSE HAVIDO, NEM ASSALTO, NEM ROUBO NEM FURTO.
( divagações de um cidadão, num domingo invernoso em pleno verão)
Deixemos o pequeno buraco na rede da cerca do quartel e o arrombamento sem violência da porta do paiol como peças para finalizarmos o puzzle que nos “atormenta”.
1 – Todo o material em falta é material perecível, isto é, não existe uma única espingarda, metralhadora, revólver canhão ou lança mísseis no rol das faltas. Nem sequer um cinturão ou qualquer outra peça do fardamento e equipamento.
Por outras palavras, e clarificando, perecível quer dizer que todo este material em falta, era e sempre foi usado em exercícios militares de rotina ou imprevistos e gasto ali mesmo devendo em bom rigor ser abatido à carga, do paiol ou armazém onde foi requisitado logo após cada exercício.
Era esta prática corrente e usual na tropa do meu tempo. Mas também havia graduados , oficiais, que muitas vezes passavam por cima das dotações estipuladas para cada exercício e descartavam os “ resmungos” dos subordinados responsáveis pelo municiamento abusivo extra, com dichotes e palavrões. O resultado era, quem tinha requisitado o material excedido no exercício não o abater e depois, raciocínio comum à época, “logo se veria”.
2 – Para esclarecer cabalmente a natureza “perecível” do material em falta é necessário desmitificar a forma ignorante com que muitos, e até alguns experts, quer em jornais quer nas TV´s, induziram na população, a ideia que o material em falta incluía armamento e mais grave mísseis.
Desmontemos pois esta cabala para podermos prosseguir.
a ) Da lista oficial de faltas consta uma munição, impropriamente chamada pelos tais experts, de lança míssil ou míssil, mas que se resume a uma granada anti tanque, lançada de um tubo articulado que após o lançamento é descartável e não reutilizável , tal como acontece com o cartucho que contém a pólvora que provoca a saída duma bala.
Tão simples como isto.
Na verdade é uma arma que só pode ser utilizada uma vez , tal como qualquer granada.
Para quem se interessa por estas coisas trata-se de um filhote dos panzerfaust nazis, que até uma criança podia lançar.
Acresce que esta arma, cuja sigla é LAW ( Lhigt anti-armor weapon) foi retirada do serviço em 1983, portanto há TRINTA E QUATRO ANOS e o seu fabrico descontinuado como agora se diz. Com o ridículo alcance de 200 metros e sem sistemas de guiamento autónomos foi naturalmente substituída por misseis de muito maior alcance , guiados por fio ou wireless através de lançadores esses sim, sistemas não descartáveis e de grande valor bélico e financeiro , como o míssil TOW ou o MILAN.
Presumo até que se alguém quisesse negociar no mercado internacional esta arma, não só não teria êxito, como seria alvo de chacota, incluindo dos rapazes do DAESH que estão armados até aos dentes com o armamento mais moderno que há.
Estando em uso no Exército anos e anos a fio fácil é admitir que toda a gente se estaria ca….. como se diz na gíria militar para o seu consumo excessivo e para o acerto das cargas.
b) Todos os outros materiais em falta eram e são obviamente utilizados e consumidos integralmente em exercícios de treino.
3 – Antes de fechar o puzzle uma pergunta que julgo ser a pertinente face ao acontecimento:
- Se havia paióis na zona, vizinhos do “violado”, com certeza com armas sofisticadas, incluindo os tais misseis TOW e MILAN, além de armamento de infantaria pelo menos com valor militar actual, porque foram os hipotéticos assaltantes abrir a porta do paiol com fraco valor.
Não é por acaso que o comentário do secretário geral da NATO a este desaparecimento de material foi a consideração da sua irrelevância.
4 – Acabemos agora o puzzle juntando as ridículas circunstância do pseudo roubo. O buraco na rede e o arrombamento discreto.
Coisa fácil de fazer para quem, acossado pela iminência da entrega do espólio e da prestação de contas das existências tenha sido impelido a optar pela diversão naif.
Boa sorte aos investigadores da PJ e PJM.
Um bom domingo para todos os meus amigos do FB.






O ASSALTO A TANCOS É UMA HISTÓRIA MUITO MAL CONTADA
O caso do assalto a Tancos, que tem evidentes incidências políticas, anda muito mal contado. A versão "oficial", largamente corroborada pelos Media, é a de que um vasto arsenal bélico foi furtado em dois paióis do Exército há alguns dias, aproveitando falhas do sistema de segurança (humanas e electrónicas) e que todo o pesado material saiu do recinto através de um buraco feito pelos assaltantes na cerca de arame. Mas esta versão só pode ser engolida por totós. Ora pensem bem no que nos contam e vejam lá se a coisa é verosímil. Os paióis situam-se a meio quilómetro do buraco feito na vedação. Os assaltantes teriam portanto cortado o arame farpado, percorrido a pé uma longa distância (durante alguns minutos), arrombaram depois os portões (que decerto não estavam no trinco, mas estranhamente ninguém ouviu o barulhão, deviam ter tomado uns valentes dopings para dormirem tão bem); após o que escolheram calmamente o material que procuravam, que pesava várias toneladas. Nisto perderam imenso tempo; e depois, alombando com a carga às costas, percorreram o caminho inverso e carregaram à mão um valente camião que estava estacionado lá ao pé. Ora esta narrativa é tão impossível e tão pueril que é impossível de aceitar por pessoas com dois dedos de testa. E já nem falo de algo que tem sido muito referido: que, a ser assim, só alguém teleguiado por pessoas que forneceram informações e que estavam (ou trabalhavam) no interior do perímetro, poderiam saber aonde os intrusos deviam ir e saber o que lá estava. Mas essa nem sequer é a coisa mais importante. Este ataque, se é que ele aconteceu, só pode ter ocorrido através da porta d'armas (a entrada principal) e não perpetrado através de um buraco na vedação. Que foi por lá que entrou e que depois saiu a viatura pesada de transporte. Que quem estava a comandar o portão principal, ou era conivente com a conspiração, ou tinha sido autorizado por algum superior a deixar entrar e sair aquele camião concreto sem fazer perguntas, nem pedir papéis, e que depois nem vasculhou o conteúdo à saída. Coisa que se faz em qualquer supermercado, como bem sabemos, quanto mais numa instalação militar deste tipo. Há várias hipóteses possíveis aqui, em alternativa à versão que tem vindo a público. A primeira: um conjunto de responsáveis da Base decidiu fazer uma "exportação" de material bélico para um qualquer destino externo, a troco de dinheiro ou de interesses políticos, militares, ou ideológicos. A segunda: pode não ter havido roubo algum, o buraco na vedação ser só uma treta para iludir os ingénuos, e a cena ter sido orquestrada para abater ao inventário material que nunca lá esteve realmente, por ter sido pago mas nunca entregue. A terceira: isto é uma operação dos serviços secretos, destinada a intervir no jogo político, a gerar umas valentes receitas para alguns e a criar uma crise de confiança e de medo na opinião pública. Há uma questão final, e decerto que não a menos importante. Tudo o que aconteceu (ou não aconteceu) em Tancos dificilmente poderá ser seriamente investigado pela Polícia Judiciária Militar, que é uma instituição não-independente, melhor dizendo totalmente dependente de uma hierarquia corporativa. Se a Polícia Judiciária Civil já suscita, frequentemente, as maiores dúvidas em termos de competência, isenção, idoneidade e especialização, já a Polícia Judiciária Militar as suscita ao quadrado: tem menos experiência, menos conhecimento, os seus efectivos são confrades dos potenciais criminosos ou conspiradores e, acima de tudo, funcionam em regime de máxima opacidade, crentes que estão de que tudo o que faça (ou não faça) será abafado pelas chefias, em nome de pretensos "interesses superiores". Ainda há pouco tempo percebemos que a investigação às mortes na instrução dos Comandos teve de envolver outras entidades exteriores à PJM para ganhar alguma eficácia e chegar com alguma consistência a Tribunal Civil. Lembro, finalmente, que Passos e Cristas andam aos pulinhos de contentes com o ocorrido em Tancos, a ponto de ontem (segunda) ambos terem vindo a público vender a ideia de que Portugal anda ao Deus dará e que o Governo não faz nada. E que esta terça o CDS/PP vai a Belém pressionar o Presidente da República sobre este assunto. Espero bem que Cristas e os seus amigos não estejam envolvidos nesta moscambilha, nem dela tenham tido prévio conhecimento, para bem dos próprios e de nós todos. E espero ainda que o preclaro Marcelo tenha o discernimento bastante para mandar esta gente dar uma volta ao bilhar grande, porque quem se comprometer com tal versão nesta fase do assunto vai ficar queimado. Bem andou António Costa em ter guardado a máxima discrição sobre esta história, porque tudo o que ele dissesse a tal respeito seria sempre considerado como demasiado muito, ou como demasiado pouco. Já agora, ainda uma nota: como era de esperar, Portugal teve de fornecer aos serviços da segurança militar e aos serviços de "intelligence" dos países da NATO e da UE uma lista exaustiva dos materiais alegadamente furtados. Não acham estranho que a mesma tenha fugido para um obscuro jornal digital do país vizinho, o El Español (uma espécie de Observador da direita espanhola), que a publicou por fuga de alguém altamente colocado, ou se calhar pela prestimosa mão do "jornalista" Sebastião Pereira? Mas acham que é assim que os serviços secretos funcionam, portugueses ou estrangeiros, oferecendo dados altamente confidenciais a uma publicação deste tipo? Os meus amigos que desçam à terra e não deixem que nos tomem a todos por parvos. Depois dos incómodos sucessos do Governo na frente económica, financeira e social, há quem esteja a recorrer ao incêndio de Pedrógão e ao assalto a Tancos para fazer aquilo que não conseguiram fazer junto dos famigerados mercados, ou através dessa criatura que é o senhor Schäuble. Por: António Ribeiro.


A PROPÓSITO DO MOMENTO ATUAL:
Não pode ser obra do acaso. Numa altura em que tudo caminha para melhorar a situacão económica do país e dos portugueses, numa altura em que são visíveis os resultados positivos do governo, acontecem dois acontecimentos dramáticos, por um lado e catastróficos, por outro, para manchar e deitar abaixo toda a confiança e entusiasmo, que de uma maneira geral, todos, ou quase todos, os portugurses estavam a sentir! Não foi obra do acaso, acredito cada vez mais nisso. E nunca fui muito apologista da teoria da conspiração. Mas agora, não há que duvidar. Eles não dormem nem estão moribundos. Estão sim a organizar-se. Não sou muito de manifestações e marchas, mas se for para mostrar o apoio a este governo e à "geringonça" em que depositei tanta confiança, ESTOU NA RUA! Por: Anabela Gomes.






2 comentários:

  1. http://www.msn.com/pt-pt/noticias/portugal/assalto-a-tancos-encenado-vontade-de-destruir-governo-%c3%a9-muito-forte/ar-BBEuVj0?li=BBoPWjC&ocid=UE03DHP

    ResponderEliminar
  2. http://www.sabado.pt/portugal/detalhe/isabel-monteiro-processada-por-dezenas-de-ex-empregados?ref=Geral_DestaquesHP_portugal

    ResponderEliminar