quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Procuradora Geral da Republica PGR





Não foi reconduzida, como pretendia a direita. No entanto não lhe poupam elogios.



Rodrigo Sousa Castro e 13 outras pessoas partilharam uma ligação.
OBSERVADOR.PT
Não houve a decência de assumir com transparência os motivos que conduziram à sua substituição. Em vez disso, preferiu-se a falácia da defesa d...



Fica então tudo claro.
Safou-se ele ( Tecnoforma), safou o amigo Portas ( Submarinos e outras traficâncias) , evitou que o processo BPN/SLN fosse reaberto e a questão das acções especulativas de Cavaco e Cª pudessem ser investigadas como operações de favor, bem como a questão da quinta da Coelha, safou em geral toda a camarilha que á sua volta pululava excepto o ministro Macedo dos vistos gold, afinal o peixe miúdo para disfarçar..
O agradecimento fica-lhe bem e coloca um ponto final no assunto.
A Procuradora cessante, por intenção deliberada , ingenuidade, ou por falta de condições, foi sem dúvida uma Procuradora de facção.
E temos que agradecer a Pedro Passos Coelho a virtude de com esta atitude ter tornado este facto incontroverso.


Nota: Então e o Dias Loureiro.




POIS, A PGR NÃO DETECTOU NADA, nem nesse caso das adopções ilegais da IURD, nem na compra dos submarinos, nem das privatizações dos CTT e dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo, etc, etc.
Zé-António Pimenta de França

Ora aqui está mais outra "pérola" do Ministério Público, pela mão da sua actual PGR:
http://www.tvi24.iol.pt/.../a-prova-de-que-joana-marques...
Gerir


Este video da TVI explica em 3 minutos este caso PGR / IURD ...
Vale a pena ver ...


A atual PGR podia ter evitado a adoção de Vera, Luís e Fábio, em 1999
TVI24.IOL.PT

A Justiça falhou no IURD, o PR garante das Instituições já pediu e exigiu desculpas? Indemnizações? Já foi jantar com as vitimas?

3 crianças roubadas à mãe para um Lar da IURD.
Todos os partidos indiferentes ... Vergonhoso!
#Eu Não Adopto Este Silêncio.





TAL PAI, TAL FILHA E TAL FILHO
Salvador Carvalho adicionou 4 fotos novas.
TAL PAI, TAL FILHA E TAL FILHO: ASSIM VAI A JUSTIÇA EM PORTUGAL...
José Marques Vidal (o pai), magistrado, foi Vice-PGR e Director Nacional da PJ, escreveu text...
Ver Mais


Joana Marques Vidal (a filha), é a Procuradora-Geral da República nomeada pelo PR, Cavaco Silva, sob proposta do primeiro-ministro, Passos Coelho, para substituir Pinto Monteiro, odiado pelo pai, pelo filho, pelo PPD e pelo CDS.
João Marques Vidal (o filho) destacou-se como procurador do DIAP de Aveiro, no processo «Face Oculta», reclamando a publicação das escutas a José Sócrates mandadas apagar pelo então PGR, Pinto Monteiro, e pelo então presidente do STJ, Noronha do Nascimento.
Queria extrair uma certidão dessas escutas para processar José Sócrates por atentado ao Estado de Direito.
Portugal está, hoje, completamente nas mãos da direita mais reaccionária: na Presidência da República, no Governo, na Assembleia da República, na Justiça, na maioria dos órgãos de Comunicação Social, e por aí fora.
A Justiça não é completamente cega, é zarolha.
Alfredo Barroso.


Deduzidas apenas 160 acusações em 1238 inquéritos encerrados de setembro de 2016 a agosto deste ano.
CMJORNAL.PT


NÃO HÁ SEGREDOS GRÁTIS
"A Joana Marques Vidal, segundo Sousa Tavares, não tem “culpa” porque decidiu não mandar naquela casa e deixar todos os procuradores andarem em roda livre e venderem-se a quem paga mais. A COFINA paga e o Ministério Público cumpre as ordens que recebe. Ninguém acredita que haja corrupção gratuita, principalmente quando vai acarretar sérios problemas aos implicados no Ministério Público."


(Por Dieter Dilinger, 12/02/2018) A Joana Marques Vidal, segundo Sousa Tavares, não tem “culpa” porque decidiu não mandar naquela casa e deixar todos os procuradores andarem em roda li…
ESTATUADESAL.COM

"Neste momento em que escrevo e publico este Post, são 21:09 de 12/02/2018 e há poucos minutos Miguel Sousa Tavares, disse na SIC que o Ministério Publico, colocou as análises referentes à poluição no Rio Tejo, sobre segredo de Justiça, para encobrir a CELTEJO empresa que pertence ao grupo dono do Correio da Manhã." Por: Mário Campos

FOI UMA DECECÃO! PUDERA!
DESTA VEZ MARCELO FICOU SEM PIO!!
Marcelo recebeu as mães e vitimas, cujos filhos foram dados para adopção, MAS VIERAM DECEPCIONADAS CO...
Ver Mais






Indignem-se que isto não é da Joana!

Esta novela da renovação, ou não, da Procuradora Geral da República (PGR) Joana Vidal, criada pela direita é uma afronta ao regime democrático porque com a sua argumentação (acusa o actual governo de tentar controlar a justiça para assim interferir no processo em que estão envolvidos Sócrates e Salgado) é ela própria que põe em causa a autonomia, a independência da justiça, gerando com isso também um sentimento de desconfiança, revolta que não é de todo aconselhável.
Esta direita é que tenta por todos os meios manter o seu poder e influência arbitrárias na justiça e não só, por forma a atacar, descredibilizar o Governo e denegrir em ultimo caso o próprio regime!

Senão vejamos... então não foi a própria PGR a dar a opinião de que um mandato é suficiente?!
Depois, não é desde 2000 que se tem verificado o cumprimento de um só mandato por parte do/a PGR?!
Então a Ministra da Justiça não pode ter fundamentado a sua opinião na opinião dada pela actual PGR?
Se assim é, o que é que a direita quer?! Porque é que a direita defende a sua renovação de forma tão aviltante e desbragada?!!
Convém-lhe?!!

Por falar nisso, será preciso relembrar esta direita, e os media que fazem a sua propaganda, dos casos em que está metida?!
Alguns que até já foram injusta, sumariamente arquivados (Submarinos, Tecnoforma) e outros que não o sendo (vistos gold, bpn, entre outros que lesaram o estado em milhares de milhões!!!), nunca são referidos de forma tão persistente nos media como são os casos em que estão envolvidos ex-responsáveis do PS!
Isto não é independência, autonomia ou respeito entre instituições, isto é perseguição política!!!

Isto é uma afronta à própria democracia, esta argumentação é do mais vil e reacionário que pode haver!!! Quer dizer então que o governo quer despachar a PGR para salvar o Sócrates e o Salgado?!!! Quer isto dizer que este governo é constituído por mafiosos?!! Isto é do mais populista e reacionário que pode haver!!!

Esta PGR, e agora digo-o eu, actuou e actua, trata de forma parcial todos os casos que por ela passam, dando seguimento só aos casos em que surgem responsáveis políticos da esquerda, dos quais muitos deles são casos inventados pela propaganda reacionária da direita que a pôs no cargo que ocupa!!!

Dito isto, e como democrata que sou, serei sempre a favor de um/a PGR imparcial, independente, alguém que trate todos os casos da mesma forma, com a mesma determinação, rigor, eficácia e transparência, à mesma distância!!!

Se esta direita, media incluída, pelas razões que diz acha-se no direito de estar indignada com a posição da Ministra da Justiça e do Primeiro Ministro, também eu e a Esquerda, pelas razões que atrás citei, entre outras, temos o direito a ficar indignados com toda esta propaganda e a tentativa da direita em querer manter no cargo de PGR alguém que é parcial por forma a tirar daí benefícios!
Para além disso, que eu saiba, ainda estamos em maioria no parlamento e Marcelo, quer goste ou não, vai ter que aceitar a nomeação de um novo/a PGR!!! Por:Rui Filipe Santos.





A ministra da Justiça deixou claro, em entrevista à TSF, que Joana Marques Vidal terá “um mandato longo e único”. Sairá, portanto, em outubro
EXPRESSO.SAPO.PT


Mais um "falso problema" a gerar confusão. Perde o país, perdemos todos.

Afinal, a Sra. Procuradora-Geral da República e a Sra. Ministra da Justiça têm idêntico entendimento relativamente à questão que tem estado na ordem do dia.
Numa entrevista publicada no boletim da Ordem dos Advogados, a Sra. Procuradora-Geral, Joana Marques Vidal, referiu que “a passagem dos anos” retira “capacidade de distanciamento e autocrítica”, concluindo: “Por alguma razão, o mandato do procurador-geral da República é de seis anos, não renovável. E bem, na minha perspetiva.”Por: Fátima Pinho.



A procuradora-geral da República disse, no passado recente, que considera que o cargo que desempenha tem um mandato único de seis anos, não sendo r...
OBSERVADOR.PT



A PGR SAI EM OUTUBRO!
Eis uma boa notícia, Joana Marques Vidal sai em Outubro, segundo a interpretação dada pelas palavras da Ministra da Justiça. Vai sair PGR uma pessoa amada e idolatrada pelas forças da direita, já havia uma campanha nada surda para a manter em funções, o que quer dizer do "excelente" trabalho desenvolvido por Joana Marques Vidal em prole das políticas e dos políticos da direita, diz-se mesmo que a justiça praticada pelo MP não era própria de um estado de direito, mas sim de um estado da direita. Vai partir, esperamos que acabem os arquivamentos e as prescrições dos vários processos a envolverem pessoas da direita, casos como o dos submarinos, Passos Coelho e Tecnoforma, e a devassa na praça pública, por informação passada por gente do MP a jornais Amigos como o CM e SOL, de casos em segredo de justiça, como o processo Marquês. Por: Carlos Manuel Gonçalves.

Os magistrados do Ministério Público concordam que Joana Marques Vidal não deve ser reconduzida no cargo de Procuradora-Geral da República (PGR). Os magistrados elogiam o trabalho de Joana Marques Vidal, mas apoiam a interpretação da ministra da Jusiça que defendeu esta terça-feira que o mandato deve ser único e não renovável. O sindicato dos magistrados quer que o próximo PGR continue o bom trabalho.


Os magistrados do Ministério Público concordam que Joana Marques Vidal não deve ser reconduzida no cargo de Procuradora-Geral da República…
SICNOTICIAS.SAPO.PT


É saudável para a democracia e para as instituições democráticas,
que não haja mandatos vitalícios e haver rotatividade destas funções. A direita como é adversa a qualquer decisão do governo, lança logo raios e coriscos ao mesmo tempo que apela a presença do diabo.
Por: Carlos Alberto Batista.





ESTA PGR DEIXA um legado de canalhices, pulhices, injustiças e perseguições miseraveis a cidadãos.
Uma lacaia da direita dos interesses.
Uma página muito negra da nossa historia.

Por: Arnaldo da Cunha Serrão.


 Finalmente venha a justiça verdadeira:
Voltar a todos os processos da direita arquivados.. Por: Lilita Ramos Ramos.


DÁ VONTADE DE RIR,
DIZER QUE A PROCURADORA QUER ATINGIR O ALTO CRIME ORGANIZADO,..ENTÃO, E OS BANQUEIROS, PORQUE NÃO ESTÃO PRESOS? Por: Vitor Rosa



Qual o motivo porque a Direita teme outro/a Procurador Geral da República está no Segredo dos Deuses ... António DOliveira. 
O ideal era termos duas Procuradoras, uma para combater a corrupção à Esquerda, outra para a Direita.




Mas, afinal, onde é que está a grave infracção política ou ética? Será que, de repente, um ministro já não pode ser convidado ou solicitar um lugar de acordo com a natureza do cargo e a segurança ajustada ao mesmo?
PUBLICO.PT


A VIDAL E O CENTENO
-A Vidal sofreu a velada ameaça, por parte da Ministra da Justiça, de que poderia perder o lugar.
-Daí a pouco tempo, o Centeno tem o gabinete revolvido .
-Eu cá, não acredito em bruxas.
-"Pero que las hay, hay !"

Por: Amadeu Homem.



A Procuradora está de parabéns.
-Poucos dias depois de se ter falado na sua recondução e no caso da IURD o MP tenta envolver Mário Centeno por causa de um bilhete de futebol.
-E foi bem mais rápido a tentar apanhar Centeno do que a defender uma mulher que foi deixada ao abandono e morta pelo marido!
-Parece que para queimar políticos não faltam ações de formação.
Por A. Cabral.



Investigação a Centeno.
A confirmar-se a história de que o Ministério Público está mesmo a investigar o ministro Mário Centeno pelo “crime” de ter aceitado, quiçá, pedido 2 bilhetes para assistir na tribuna do estádio da Luz a um jogo do Benfica, acho que a procuradora-geral da República faria um grande favor a si própria se tomasse a iniciativa de pedir de imediato a sua demissão. Uma tal investigação é um insulto à democracia portuguesa e uma vergonha para o Ministério Público”, lê-se no post. do jurista Francisco Clamote.





A justiça em Portugal tem este rosto: Joana, a CORRUPTA. Entre o que exibe. O que esconde e faz prescrever, mostra a dimensão da sua ética. Por 2 bilhetes para o Benfica TEM O DESCARAMENTO de pretender sujar o nome do Ministro Mário Centeno, em vez de se preocupar com os malfeitores deste País. Da Tecnoforma, submarinos, Frasquilho .... são tantos os processos arquivados. O caso da IURD em que está envolvida? Por: Fernanda Fusco.


HÁ UMA CAMPANHA FASCISTA ACANTONADA NOS PARTIDOS DA DIREITA, NO MP, NA CS E NO CAPITAL, CONTRA O GOVERNO E A ESQUERDA... CUIDADO!




Miguel Sousa Tavares diz que cabe às autarquias verificar a isenção de IMI e não ao Ministério das Finanças. “Estamos perante uma polémica que não tem razão…
EXPRESSO.SAPO.PT




O GOVERNO TEM DE ASSEGURAR O REGULAR FUNCIONAMENTO DAS INSTITUIÇÕES O Ministério Público com o “caso Centeno” pisou manifesta...
POLITEIABLOGSPOTCOM.BLOGSPOT.COM


José Miguel Júdice deixou críticas, nesta segunda-feira, no Jornal das 8 da TVI, à justiça portuguesa que se tem "despachado" com o caso das…
PTJORNAL.COM



(Daniel Oliveira, In Expresso Diário, 30/01/2018) O Ministério Público trabalha mais para a notícia do que para a Justiça. Porque acha que é a notícia, sobretudo a que faz manchetes nos tabloides…



O eurodeputado António Marinho e Pinto, antigo bastonário dos advogados, considera "inadmissível" que o Ministério Público tenha decidido fazer buscas ao gabinete de Mário Centeno com base em suspeitas dos jornais.
SICNOTICIAS.SAPO.PT
O
anterior congresso dos magistrados foi patrocinado por CGD, BES, BPI, C.Manhã, Sol, TVI, RTP, etc. etc...
Quem patrocina este?
Carlos Esperança

A PGR e o Sindicato dos Magistrados do Ministério Público (SMMP)

Comunicado do DIAP de Lisboa (PGDL) em que o MP determinou o arquivamento do inquérito por inexistência de crime [2 bilhetes de futebol pedidos por Mário Centeno]:

(…) “Realizado o inquérito, recolhida a prova documental e pessoal necessária ao apuramento dos factos, o MP concluiu pela não verificação do crime de obtenção de vantagem indevida ou qualquer outro, uma vez que as circunstâncias concretas eram suscetíveis de configurar a adequação social e política própria da previsão legal”. (…)

A imprudência desonrou o MP e fez parecer o Correio da Manhã um órgão do MP ou o MP instrumento do CM. A notícia instigou a ofensa pública ao conceituado ministro, e ao País no Parlamento Europeu onde o PPE superou a desfaçatez da direita portuguesa que, no caso do PSD, manteve a compostura.

O processo foi arquivado. E quem arquiva o desprestígio do País, a afronta ao ministro, a dúvida europeia sobre o presidente do Eurogrupo, a leviandade da invasão do gabinete ministerial, a devassa à documentação do Governo? Quem garante que “a recolha da prova documental e pessoal”, no ministério, não é usada criminosamente por quem teve acesso, e que não tenha sido enviada ao CM?

***
Curiosamente, a Visão não merece da PGR ou do DIAP do Porto (PGDP) o desvelo que o CM suscita em Lisboa. As faturas falsas, empresas de fachada, tráfico de influências, negócios simulados, contratos públicos viciados, fraudes em subsídios, manipulação de contas e iniciativas fictícias indiciam o descaminho de milhões de euros em municípios do PSD, por Marco António, Luís Filipe Meneses, Agostinho Branquinho, Hermínio Loureiro, Virgílio Macedo e Valentim Loureiro. E ignora-se qualquer iniciativa do MP para apurar os crimes gravíssimos revelados pela revista Visão.

***
Um ex-presidente do SMPP não merece mais crédito do que o de outro sindicato, mas a gravidade das suas afirmações, vindas no «Público», têm de ser averiguadas:

«João Palma*, ex-presidente do SMMP, disse que o relacionamento próximo entre o ex-PM José Sócrates, o PGR Pinto Monteiro, e o presidente do STJ, Noronha Nascimento, terão dificultado o exercício da Justiça em Portugal.»
Se for verdade, não podem ficar impunes o antigo PGR e o ex-presidente do STJ. Se for mentira, por mais leviano que seja o sindicalista, não deve manter-se em funções.

É preciso saber se os sindicatos dos magistrados, cuja existência ameaça a democracia e compromete a independência dos que dizem representar, têm agenda política. É urgente extingui-los pois é tão arriscado que os Governos subjuguem a Justiça como esta tornar refém a política. O exemplo do Brasil, no primeiro caso, e o da Polónia e da Turquia, no segundo, são intoleráveis. Em Itália, veio Berlusconi depois da destruição dos partidos socialista e democrata-cristão.

A Justiça é tão importante para a democracia que não pode ficar entregue a corporações de magistrados, advogados, solicitadores, polícias ou funcionários judiciais. Sem perder a sua independência, tem de ser escrutinada por poderes com legitimidade sufragada nas urnas. Para já, a extinção das organizações sindicais é um ato de salubridade.

Apostila – O Congresso dos magistrados do MP, em 2012, sendo presidente do SMMP João Palma*, teve o apoio financeiro do BES, BPI, Montepio, CGD e Império Bonança. O evento durou 4 dias e juntou 400 congressistas e convidados num hotel de Vilamoura. Apesar do apoio financeiro, a organização garantiu então que eventuais investigações não seriam condicionadas por esses patrocínios.




Carlos Matos Gomes
João Palma, magistrado do ministério público, ex dirigente do sindicato do ministério público, ao ser ouvido pelos jornalistas no congresso do sindicato desenvolveu teoria, com ar sério, a propósito de cumplicidades entre poder político, altos magistrados e juízes para proteger os mais poderosos e influentes. A bem mandada comunicação social traduziu as palavras do sindicalista, ou ex-sindicalista, que o “Ministério Público se agitava com a sucessão de Joana Vidal”. Nesse dia (ou perto), na época em que todos ficámos a saber que o Ministério Público agiu contra o ministro Centeno instigado pelo Correio da Manhã (como o MP reconhece), no dia em que a procuradora se manifesta, mais uma vez, preocupada com as sucessivas quebras do segredo de justiça, no mesmo dia (mais ou menos) em que dois desembargadores são constituídos arguidos por promiscuidade entre comunicação social, empresários e poderes judiciais, do sindicalista Palma nem uma palavra sobre a promiscuidade entre jornalistas e magistrados. Assunto tabu.
O assunto grave, o mais grave, o que conduz aos julgamentos populares resultam do conúbio entre magistrados e jornalistas, entre os agentes do sistema judicial os os agentes da comunicação. Sobre isso, do Palma vedeta mediática, moita carrasco.
Não conheço o magistrado sindicalista João Palma, a não ser de o ver nas festas sociais da revista Elas do Correio da Manhã, frequentadas também pelo desembargar Rangel, agora arguido.
Pelo facto de serem convidados e de terem aceitado o convite de uma revista do órigão de comunicação tido como o veiculo privilegiado da informação policial e judicial é legítima a associação do sindicalista Palma e do desembargador Rangel ao veículo privilegiado de notícias sobre casos mediáticos da justiça? Não, não é legítima, mas é justificável a má opinião de um cidadão a propósito destas presenças. As festas do Correio da Manhã não eram bacanais, longe disso, eram apenas oportunidades para convívio, locais onde são proporcionados contactos em ambiente agradável. Sabendo o que sabemos do segredo de justiça, das suspeitas que recaem sobre os magistrados e polícias avençados pelos órgãos de comunicação, é sensato, é prova de sensatez, e até de inteligência, já agora, os magistrados andarem por estas festas de copo na mão? Julgo, dentro do princípio de não bastar à mulher de César ser séria, mas também que o pareça, que estas participações do sindicalista Palma, enquanto magistrado, e do desembargador Rangel são provas de sensatez? Não. Julgo que seria de lhes exigir algum pudor, algum recato. Na verdade, o facto do homem do sindicato dos magistrados (ou ex)e do desembargador participarem nas festas sociais de um jornal é causa da sua presença na comunicação social como isentos e angélicos comentadores, ou é consequência do seu mediatismo? Na realidade eles configuram a cadeia de produção dos ditos “famosos”. Os famosos são famosos porque aparecem e aparecem porque são famosos.
O sindicalista Palma manifesta-se preocupado com a substituição da procuradora atual. Ora eu posso legitimamente pensar que esta procuradora geral foi complacente com os comportamentos do seu subordinado Palma – incluindo a acusação sublimar aos seus colegas e à instituição - e que o anterior, que ele critica, ó conteste. Mais, rejeito o discurso moralista do sindicalista Palma. Contudo, como ele, por motivos que desconhecemos, “aparece” nos jornais e TV, os jornais e as TVs quando querem encontrar um eco para as manobras políticas que conduzem (neste caso influenciar a escolha do/a próximo PGR) vão buscar estes “famosos”, que emitem uma opinião que os órgãos de comunicação apresentam como sendo a da instituição.
De facto a chamada destes famosos ao centro da arena mediática resulta de um processo de mistificação e de manipulação. Nem a opinião dos “Palmas” representa o pensamento da instituição, nem os “Palmas” têm moral para se colocarem na primeira fila, impantes, a emitir pareceres e a arrotar postas de pescada.
João Palma representa um dado Ministério Público que produziu os resultados visíveis de justiça popular e de justiça de tiro ao alvo. É esse MP que ele defende. É a sua praia. A procuradoria da república devia impor moderação e pudor a estes seus funcionários, ou afastá-los como pragas.



Sem comentários:

Enviar um comentário